NÃO QUERO MAIS SER EVANGÉLICO

Ser evangélico, pelo menos no Brasil, não significa mais ser praticante e pregador do Evangelho (Boas Novas) de Jesus Cristo, mas, a condição de membro de um segmento do Cristianismo, com cada vez menor relacionamento histórico com a Reforma Protestante – o segmento mais complicado, controverso, dividido e contraditório do Cristianismo. O significado de ser pastor evangélico, então, é melhor nem falar, para não incorrer no risco de ser grosseiro.

Não quero mais ser evangélico! Quero voltar para Jesus Cristo, para a boa notícia que Ele é e ensinou. Voltemos a ser adoradores do Pai porque, segundo Jesus, são estes os que o Pai procura e, não, por mão de obra especializada ou por “profissionais da fé”. Voltemos à consciência de que o Caminho, a Verdade e a Vida é uma Pessoa e não um corpo de doutrinas e/ou tradições, nascidas da tentativa de dissecarmos Deus; de que, estar no caminho, conhecer a verdade e desfrutar a vida é relacionar-se intensamente com essa Pessoa: Jesus de Nazaré, o Cristo, o Filho do Deus vivo. Quero os dogmas que nascem desse encontro: uma leitura bíblica que nos faça ver Jesus Cristo e não uma leitura bibliólatra. Não quero a espiritualidade que se sustenta em prodígios, no mínimo discutíveis, e sim, a que se manifesta no caráter.

Chega dessa “diabose”! Voltemos à graça, à centralidade da cruz, onde tudo foi consumado. Voltemos à consciência de que fomos achados por Ele, que começou em cada filho Seu algo que vai completar: voltemos às orações e jejuns, não como fruto de obrigação ou moeda de troca, mas, como namoro apaixonado com o Ser amado da alma resgatada.

Voltemos ao amor, à convicção de que ser cristão é amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos: voltemos aos irmãos, não como membros de um sindicato, de um clube, ou de uma sociedade anônima, mas, como membros do corpo de Cristo. Quero relacionar-me com eles como as crianças relacionam-se com os que as alimentam – em profundo amor e senso de dependência: quero voltar a ser guardião de meu irmão e não seu juiz. Voltemos ao amor que agasalha no frio, assiste na dor, dessedenta na sede, alimenta na fome, que reparte, que não usa o pronome “meu”, mas, o pronome “nosso”.

Para que os títulos: “pastor”, “reverendo”, “bispo”, “apóstolo”, o que eles significam, se todos são sacerdotes? Quero voltar a ser leigo! Para que o clericalismo? Voltemos, ao sermos servos uns dos outros aos dons do corpo que correm soltos e dão o tom litúrgico da reunião dos santos; ao, “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu lá estarei” de Mateus 18.20. Que o culto seja do povo e não dos dirigentes – chega de show! Voltemos aos presbíteros e diáconos, não como títulos, mas, como função: os que, sob unção da igreja local, cuidam da ministração da Palavra, da vida de oração da comunidade e para que ninguém tenha necessidade, seja material, espiritual ou social. Chega de ministérios megalômanos onde o povo de Deus é mão de obra ou massa de manobra!
Para que os templos, o institucionalismo, o denominacionalismo? Voltemos às catacumbas, à igreja local. Por que o pulpitocentrismo? Voltemos ao “instruí-vos uns aos outros” (Cl 3. 16).

Por que a pressão pelo crescimento? Jesus Cristo não nos ordenou a sermos uma Igreja que cresce, mas, uma Igreja que aparece: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. “(Mt 5.16). Vamos anunciar com nossa vida, serviço e palavras “todo o Evangelho ao homem… a todos os homens”. Deixemos o crescimento para o Espírito Santo que “acrescenta dia a dia os que haverão de ser salvos”, sem adulterar a mensagem.

“Tornai vós para mim, e eu tornarei para vós diz o Senhor dos exércitos”. Seja um patrocinador desta obra, seja um colaborador de Cristo!

Que Deus te abençoe!

Escrito por Ariovaldo Ramos

Assista o vídeo de ED RENÉ KIVITZ

Filhos de Deus

Na cruz Ele se tornou pecado em nosso lugar, mas em Sua ressurreição nós nos tornamos o que Ele é, Santo, Filhos de Deus. Somos criados nEle.
A cruz exterminou nossa velha natureza, a ressurreição nos deu uma Nova, IGUAL A DE DEUS!
JESUS olha pra Sua Noiva e diz como Adão disse a Eva: “Essa afinal é OSSO DOS MEUS OSSOS, CARNE DA MINHA CARNE”. Mesma NATUREZA!

Imagem

Seu servo e amigo no Evangelho,
Eber Rodrigues

Crer é a normalidade do homem espiritual!

O andar no Espírito, a verdadeira vida espiritual, estará sempre cercada de um mistério tremendo, isso nos jantem humildes, dependentes do Senhor.</p>
<p>Um homem de Deus jamais estará em um lugar onde ele não precise crer e exercer sua fé, jamais. A fé é a nossa herança em Deus nessa terra.</p>
<p>Nunca estaremos num lugar de comodismo em termos do Espírito, sempre precisaremos dar aquele passo pra fora do"barco para andarmos sobre as águas". Pois, um verdadeiro Cristão amadurecido em Deus, não tem na fé sua ultima cartada quando nada mais funciona, pra ele, fé é a primeira opção sempre.</p>
<p>Se o andar espiritual não fosse cercado desse santo e diário mistério, seríamos enganados por nossa carne e cairíamos no falso auto-sustento. </p>
<p>Quando o Senhor diz: "O Pão nosso cada diz nos dá hoje,"Na verdade Ele está nos chamando pra experimentarmos fé TODOS OS DIAS.! Aparentemente para o homem natural a vida da fé parece loucura, por estar sempre na beira de um precipício, mas na verdade, nada é mais seguro.</p>
<p>O homem espiritual já descobriu que não há vida real fora da fé, e ele já escolheu viver ali para sempre! Não só de pão viverá o homem.</p>
<p>Viver pela fé não é ser perfeito em si mesmo, não, viver pela fé é crer NO JESUS PERFEITO POR NÓS pois, o que não somos, Ele é por nós.</p>
<p>A fé não é para os que não tem falhas pelo contrário, ela é para os falhos, serem PERFEITOS, Nele! Não é crer e nós, é crer Nele. O humanismo exalta o esforço próprio e as conquistas humanas, a fé, exalta a Jesus, e o que Ele conquistou pra nós, DE GRAÇA. O humanismo se apoia no que EU posso fazer, a fé diz: Não mais eu, mas Cristo em mim! Ela se firma no que JESUS FEZ.</p>
<p>Estar numa posição onde a fé seja dispensável é o lugar mais perigoso para um cristão pois, O JUSTO VIVERÁ POR SUA FÉ.</p>
<p>ENTENDA ISSO!</p>
<p>Seu servo e amigo no evangelho,</p>
<p>Eber</p>
<p>Twitter: @eberouvirecrer</p>
<p>www.ouvirecrer.com.br

O andar no Espírito, a verdadeira vida espiritual, estará sempre cercada de um mistério tremendo, isso nos mantém humildes, dependentes do Senhor.

Um homem de Deus jamais estará em um lugar onde ele não precise crer e exercer sua fé, jamais. A fé é a nossa herança em Deus nessa terra.

Nunca estaremos num lugar de comodismo em termos do Espírito, sempre precisaremos dar aquele passo pra fora do “barco para andarmos sobre as águas”. Pois um verdadeiro cristão amadurecido em Deus, não tem na fé sua última cartada, quando nada mais funciona, pra ele, fé é a primeira opção sempre.

Se o andar espiritual não fosse cercado desse santo e diário mistério, seríamos enganados por nossa carne e cairíamos no falso auto-sustento.

Quando o Senhor diz: “O Pão nosso cada diz nos dá hoje,”Na verdade Ele está nos chamando pra experimentarmos fé TODOS OS DIAS.! Aparentemente, para o homem natural, a vida da fé parece loucura, por estar sempre na beira de um precipício, mas na verdade, nada é mais seguro.

O homem espiritual já descobriu que não há vida real fora da fé, e ele já escolheu viver ali para sempre! Não só de pão viverá o homem.

Viver pela fé não é ser perfeito em si mesmo, não; viver pela fé é crer NO JESUS PERFEITO POR NÓS pois, o que não somos, Ele é por nós.

A fé não é para os que não tem falhas, pelo contrário, ela é para os falhos serem PERFEITOS nEle! Não é crer em nós, é crer nEle. O humanismo exalta o esforço próprio e as conquistas humanas, a fé exalta a Jesus e o que Ele conquistou pra nós DE GRAÇA. O humanismo se apoia no que EU posso fazer, a fé diz: Não mais eu, mas Cristo em mim! Ela se firma no que JESUS FEZ.

Estar numa posição onde a fé seja dispensável é o lugar mais perigoso para um cristão pois, O JUSTO VIVERÁ POR SUA FÉ.

ENTENDA ISSO!

Seu servo e amigo no Evangelho,

Eber

Twitter: @eberouvirecrer

www.ouvirecrer.com.br

Padre Fábio de Melo condena idolatria a Maria

ele tem toda razão. e acrescento: cuidado com a idolatria evangélica que tem ocorrido com frequência, infelizmente. os “crentes” criaram um mundo go$pel, que de gospel (God spell = Evangelho, Palavra de Deus) não tem nada!! e usam a Palavra que somos do mundo mas não estamos no mundo (a qual eu creio, mas as atitudes rejeito veementemente), vivem separados dos irmãos que professam outra fé. daí crente só compra de outro crente, só veste determinado tipo de roupa, só frequenta igreja e dentro das igrejas tem tudo o que tem fora, mas sob o título de gospel, então pode, ficou santo. aff! hipocrisia, ridículo, no mínimo. se quer viver assim, que vire amish!

A religião é o ópio do povo

Karl Marx, em sua crítica ao cristianismo, afirmou que “a religião é o ópio dos povos”. Estava errado! Para Jesus Cristo, a verdade é outra. O materialismo é o grande narcótico que anestesia as pessoas contra a realidade de nossa verdadeira condição, transitoriedade e mortalidade. Impede-nos de ver as coisas que realmente têm importância final. Em última análise, em nossa ânsia pelas coisas, estamos apenas correndo atrás do vento.

O materialismo condiciona as pessoas a ver a vida presas dentro dos limitados horizontes da pequena concha em que vivem, incapazes de perceber qualquer coisa acima desse nível. Por desejarem sempre mais, tal insatisfação faz delas pobres. Tudo o que o materialismo consegue é alimentar a espiral do desejo de aquisição, que é insaciável. Agostinho estava correto ao afirmar o seguinte: “Quem tem Deus tem tudo; quem não tem Deus não tem nada. E aquele que tem Deus e tem tudo, realmente, não tem mais do que aquele que tem Deus e não tem nada.”

(Fonte: http://www.facebook.com/ABibliaSagrada)

Imagem

Fé em ação

Quando a fé amadurece em você, literalmente, ela passa a te tutoriar. Ela é como aquela ama de leite que cuida de nós: “Deus não poderia nos dar algo melhor”.

A fé em ação é Deus cuidando de Seus filhos na Terra; Ele sempre se identifica com a Verdade que você vive ao aplicar fé na Palavra de Deus.

Imagem

Eber Rodrigues

Deus não muda, Sua Palavra não muda

1965472_609145179166815_1170091535_o

Nem sempre as coisas vão como esperávamos, porém isso jamais muda a Palavra de Deus; não deveria mudar-nos também. Firmar-se sempre é o caminho.

O FATO do Senhor ser imutável é a base para permanecermos firmes na fé, ATÉ O FIM. Se Ele não muda e nem nós, as circunstâncias terão que mudar!

Deus não muda, Sua Palavra não muda, nós deveríamos ter também esse caráter: IMUTÁVEIS COMO NOSSO PAI.

Fé é uma questão de permanecermos na Palavra recebida até que Ela mesma se desenvolva em nós e produza os seus frutos, QUE SERÃO SEMPRE VITÓRIA!

Permanecer em fé é permanecer na prática da Palavra que você ouviu de Deus!

Seu servo e amigo no Evangelho,

Eber

Nós somos tão adestrados na religião que a maioria de nós não somos filhos de um útero espiritual onde era normal os paralíticos andarem, os cegos enxergarem, os surdos ouvirem, nós não nascemos nesse contexto espiritualmente falando, nós nascemos espiritualmente por fé em Jesus Cristo e aprendemos a seguir os programas de nossa igreja.

Deus não quer você treinado em programas, Deus quer você treinado no Espírito.

Deus não quer você habilitado a gerir um programa eclesiástico. Deus te quer habilitado a (…) abrir o olho do cego, o ouvido do surdo. As pessoas não podem ficar enfermas onde você está porque você é uma árvore saudável e uma das características da oliveira é que as árvores plantadas perto da oliveira se curam só por estarem perto da oliveira.

Verdade

Imagem

Muitas vezes a guerra não passa, apenas toma uma outra configuração, fique atento, pois o andar no Espírito só te porá acima de TUDO!!!

A Palavra que te trouxe até aqui te levará até o final dessa caminhada, mas jamais soltá-la é escolha e decisão sua, SEMPRE!

Caminhar sobres os FATOS invisíveis da Verdade é uma expressão de que seu espírito está em atividade, operando em fé, ISSO É VENCER!

TODA Verdade invisível sobre a qual você caminha na perseverança da fé, TORNAR-SE-A VISÍVEL na tua vida, ela se tornará seu testemunho em Deus!

Exercer fé tem haver com vencermos a nós mesmos primeiro, DEPOIS NOSSAS CIRCUNSTÂNCIAS! E NESSE CASO, a condição do diabo sempre será FUGIR!

2 Coríntios 5.7 = “visto que andamos por fé e não pelo que vemos.”

De seu servo e amigo no Evangelho,

Eber Rodrigues

Ele nos substituiu

ELE NOS SUBSTITUIU NA CRUZ DANDO-SE A NÓS

Quando Jesus foi à cruz, Ele estava nos substituindo a fim de que pudéssemos receber toda Sua condição como Filho de Deus.

Jesus tomou toda a nossa velha condição que herdamos do primeiro Adão e nos deu toda uma nova condição que Ele recebeu do Pai.

Ele fez tudo que fez com o intuito de termos a Sua posição.

Aprendi algo nesse sentido com Dave Roberson quando ele ensinou sobre o fato de Jesus conquistar pra nós a posição que Ele tinha em Deus como homem e o último Adão.

Assim, temos na terra exatamente como Jesus, as mesmas condições de vida em Deus que Ele tinha quando esteve aqui.

Estamos em Cristo completamente justificados diante de Deus, ou seja, feitos justos, perfeitos, como Jesus é Justo e Perfeito.

de seu servo e amigo no Evangelho,

Eber

Imagem

Paz

Imagem

Quanto mais conhecemos o Senhor, mais confiaremos nEle, maior será nossa paz. Paz não é questão de circunstâncias boas ou ruins, paz é fruto de maturidade no ESPÍRITO.PAZ é a atmosfera onde Deus vive e é nesse ambiente que a fé se desenvolve com muito mais facilidade.

Seu servo e amigo no Evangelho,Eber Rodrigues

[ Twitter: @eberouvirecrer ]

Viva a tua fé!

A fé quando colocada em ação sempre produz resultados. O ponto é que a fé não é como uma varinha mágica não, fé é o meio de construção de Deus em nosso espírito, ou seja, na medida em que vamos exercendo nossa fé, Deus vai construindo em nós Sua Verdade a fim de que experimentemos na prática as dimensões da Sua Própria Natureza Divina, e assim, com essa participação, temos poder pra vencer doenças, demônios, pecados, circunstâncias adversas….Por isso, jamais pare de exercer sua fé pois é por ela que Deus constrói dentro de nós o Seu Filho e vamos parecendo em todas as áreas, MENOS COM ADÃO E MAIS COM CRISTO., Então lembre-se: viver a fé é viver na construção diária do Espírito, passo a passo, preceito sobre preceito, regra sobre regra, um pouco aqui, um pouco ali, Ele vai se construindo em nós a fim de vivermos tudo que Jesus fez e conquistou pra nós na cruz do calvário.

VIVA A TUA FÉ!

Imagem

Seu servo e amigo no Evangelho,
Eber

Twitter: @eberouvirecrer

Orar é…

Imagem

Orar é estar na escola do Espírito. Orar é gerar as coisas no espírito. Orar é conceber no espírito. Orar é batalhar no espírito. Orar é trabalhar no espírito.Orar é abrir-se para toda mudança que você necessita. Orar é dizer, Deus eu não posso mas tu podes, então eu confio em ti pra isso. Quem anda em oração anda em humildade, ele aprende o que é se aquietar e saber que Deus é Deus. Mais do que orar, Deus que nos colocar num caminhar de oração, “minha casa será chamada, casa de oração”. Entregar-se ao espírito de oração é entregar-se ao espírito de vitória, é ir pro caminho onde todos os vencedores passam. Não faça da oração sua última opção, faça dela sua vida, seu respirar, ande em oração, “o fogo jamais se apagará”.

Seu servo e amigo no Evangelho,

Eber Rodrigues

(Twitter: @eberouvirecrer / www.ouvirecrer.com.br )

DESMISTIFICANDO A SANTA MÚSICA GOSPEL

Para muitos crentes, a música gospel é santa, pura e imaculada. Muitas vezes até superior às Escrituras, pois doutrinas são elaboradas com base em letras de músicas gospel, e não na Bíblia, e incorporadas ao corpo doutrinário de muitas Igrejas. A “Doutrina da Restituição” é um exemplo disso, pois embora não tenha NENHUMA base bíblica foi estabelecida após uma banda de sucesso gravar uma dezena de músicas tratando de restituição, de querer de volta o que é seu, buscando a restauração de tudo o que eu perdi mas é meu, e eu quero de volta, sete vezes mais, em dupla honra!!!
Vez por outra eu comento com alguns amigos que a arte mais perseguida pela religião é a música. E sinceramente, não consigo entender o porquê. Música “do mundo” SEMPRE é pecado, ao passo que outras expressões artísticas são muito bem toleradas, e algumas até incentivadas.
Não se deve cantar nem ouvir música “do mundo”, mas se pode assistir novelas (teledramaturgia), que têm como trilha sonora… MÚSICAS DO MUNDO! O mesmo se aplica a filmes, peças teatrais etc, que possuem trilhas sonoras com o mesmo tipo de música.
Raramente vejo crentes serem disciplinados ou censurados por assistir seriados de terror como o THE WALKING DEAD (onde um grupo de pessoas luta contra zumbis, coisas a priori demoníacas e ligadas ao vodu e ao ocultismo), mas sempre vejo censuras e disciplinas por ouvirem músicas de bandas de rock, assistirem a shows como o Rock in Rio (embora os shows gospel sejam IDÊNTICOS a estes shows “do mundo”, completamente copiados inclusive nas coreografias, iluminação, pirotecnia…).
Ouvir música do mundo é pecado, mas ler livros do mundo não é. Ou seja, se eu ler o poema FANATISMO da poetisa Florbela Espanca é cultura, mas se eu ouvir o mesmo poema que foi musicado pelo Fagner, é PECADO!  Ler um livro de sonetos do Vinicius de Moraes é sinal de superioridade literária de minha parte, mas se eu ouvir ou cantar os mesmos sonetos, muitos deles musicados pelo saudoso Poetinha e seus parceiros, é PECADO. Quem lê um livro do Carlos Drummond de Andrade e se depara com seu poema JOSÉ é um amante da boa literatura, mas quem ouve o mesmo poema na música do Paulo Diniz vai queimar no mármore do inferno!
As artes plásticas (quadros e esculturas) são toleradas (nunca vi ninguém ser censurado por ter um lindo e caro acervo nas paredes da sala de estar de suas casas).
Mas neste artigo eu quero falar sobre MÚSICA. Música gospel, a santa expressão do louvor musical e da adoração sonora a Deus, em contrapeso à música “do mundo”, diabólica e escarnecedora…  Por que para muitos “crentes” só se deve ouvir música gospel, e ouvir “música do mundo” é pecado?
Algumas respostas que já escutei ou recebi de crentes gospel a esta pergunta simples… E em seguida, uma breve explicação sobre elas…
1. A LETRA DE UMA MÚSICA “DO MUNDO” NÃO GLORIFICA A DEUS
A maioria das letras gospel também não! Glorificam ao homem, suas ânsias de vingança, enriquecimento, honra, dupla honra, vitória, restituição etc. O HOMEM, o EU, é o centro delas, e não Deus. NEM DE LONGE glorificam a Deus! Para glorificar a Deus, uma música precisa apontar para a Obra dEle, da criação, da salvação, da santificação, Sua graça infinta, imerecida pelo homem e não conquistada por obras de justiça etc… E sempre que falar sobre o homem, ressaltar seu pecado, sua depravação, sua incapacidade de buscar a Deus ou alcançar a salvação ou qualquer outra benesse por seus próprios méritos, e mostrar que tudo o que Deus dá ao homem é por graça, só por graça! Uma música que só retrata que eu sou vencedor, que eu nasci para vencer, para ser cabeça e não cauda, que Deus vai (tem que) restituir o que é meu, que vai humilhar meus inimigos e me exaltar, nem de longe foi composta ou é cantada para louvar a Deus!
Repito: nem de longe as músicas gospel adoram a Deus!! A própria forma de composição geralmente em primeira pessoa (e mesmo quando compostas em terceira pessoa sempre direciona esta terceira pessoa para o homem) demonstra que a adoração ou a glorificação não é para Deus, e sim para O HOMEM. Analisemos algumas letras:

Onde era tristeza se verá / A dupla honra ME ornar … É chegada a MINHA hora / MEU silêncio já acabou / Ouça o som da MINHA grande festa / EU vou viver uma virada em MINHA VIDA, eu creio!

Mestre EU preciso de um milagre … Faz tempo que EU não vejo a luz do dia / Estão tentando sepultar MINHA alegria / Tentando ver MEUS sonhos cancelados /…/ Remove a MINHA pedra / ME chama pelo [MEU] nome / Muda a MINHA história / Ressuscita os MEUS SONHOS

Restitui… EU quero de volta o que é MEU /  Sara-ME, e põe teu azeite em MINHA dor

VOCÊ é um escolhido, e a SUA história não acaba aqui /  VOCÊ pode estar chorando agora, mas amanhã VOCÊ irá sorrir /  Deus vai TE levantar das cinzas e do pó…

Sinceramente, você acha que Deus é realmente adorado em letras como estas??
O pastor A. W. Pink disse certa vez que os hinos do passado eram compostos usando as palavras “Tu és, Tu és, Tu és”, enquanto que os modernos eram compostos com as palavras “Eu sou, eu sou, eu sou…”. Visivelmente observa-se que o alvo da glória não é Deus, mas o homem, o crente, o EU…. E olha que o pr. Pink faleceu na década de 1950, certamente muito antes da maioria das pessoas que leem este artigo terem nascido! O que ele diria nos dias de hoje??

2. A LETRA DE UMA MÚSICA “DO MUNDO” NÃO É BASEADA NAS ESCRITURAS 
Por favor, deem uma olhada nas músicas gospel, analisem suas letras de forma isenta e desapaixonada, e vocês verão claramente que poucas letras são realmente baseadas na Bíblia, e mesmo as que são muitas vezes DISTORCEM o que a Bíblia realmente diz. A famosa música gospel RESSUSCITA-ME é um exemplo de letra baseada na Bíblia (a ressurreição de Lázaro), mas que distorce completamente o sentido da narrativa bíblica, associando-a ao cumprimento dos NOSSOS sonhos. Logo, é mais uma música que tem por objetivo a realização pessoal dos desejos do homem.
Uma música baseada na Bíblia não é aquela que transcreve PALAVRAS da Bíblia, mas a ESSÊNCIA. Satanás citou o Salmo 91, por ocasião da tentação do Senhor Jesus, mas extraiu-lhe a essência, o verdadeiro significado, o verdadeiro princípio. Logo, uma música como FAZ O MILAGRE EM MIM pode até citar a história do encontro de Jesus com Zaqueu, mas quando não transmite o real sentido deste encontro, mostra que não está baseada na Bíblia; apenas usa algumas de suas palavras, para adquirir status de bíblica!
Na verdade, tais músicas que distorcem o sentido real da narrativa bíblica transmitem uma falsa piedade. Podem até estar parcialmente baseadas no texto sagrado, mas quando são analisadas de forma criteriosa se observa que o texto bíblico foi tão distorcido e desvirtuado que transmitem uma ideia completamente errada daquilo que a Bíblia quer ensinar, chegando até a negar verdades doutrinárias ou acrescentar-lhe inverdades.
Sinceramente, qual a base escriturária de músicas do tipo SABOR DE MEL, ou 500 GRAUS? NENHUMA!! Aonde ela se encaixa nos princípios da Nova Aliança de perdão e amor aos nossos inimigos?
Nos dias de hoje, é muita sorte comprar um CD gospel com 12 faixas e encontrar UMA MÚSICA com base realmente escriturística!! Geralmente, é um hino da Harpa, ou um hino das antigas que é regravado!
3. O CANTOR “DO MUNDO” NÃO TEM COMPROMISSO COM DEUS 
A maioria dos cantores gospel também não! Eles têm compromisso com sua gravadora, com seus produtores, com os programas de tevê e rádio que participam, com as denominações e/ou organizações a que estão ligados e que os apoiam ou patrocinam, e com os erros doutrinários ensinados por estas denominações e organizações, além do compromisso maior com Mamom e seus próprios bolsos!
Alguns cantores gospel de nossos dias chegam a ter compromisso com uma personagem criada por marqueteiros. Fazem caras e bocas, se apresentam com certas roupas, maquiagens e acessórios, demonstrando claramente que estão atuando, vivendo uma personagem dissociada do seu verdadeiro caráter. São atores, desempenhando um papel meticulosamente calculado para atender a certos públicos, satisfazendo os anseios deste público de tietar um ídolo da música. Isso não é compromisso com Deus, mas com o sistema!
4. OS CANTORES QUE CANTAM MÚSICA “DO MUNDO” NÃO SÃO CRENTES
E quem disse que quem canta música gospel é crente?? Muitos cantores são conhecidos por não serem crentes, alguns até deixam isso bem claro… Muitos apenas cantam músicas gospel, se aproveitam desta fatia de mercado!! Outros, não agem como crentes (há relatos de alguns que já fizeram shows apresentando sintomas de embriaguez, que já se hospedaram com fãs em seus quartos de hotel, que usaram drogas etc). Eu poderia até citar nomes aqui, mas não é esse o objetivo deste artigo!
Aprendamos uma coisa: “nem todos os que são de Israel são israelitas” (Rm 9:6), e não é porque quem canta, quem gravou, quem compôs, é chamado de “evangélico” que a música é cristã! Há muitos crentes que cantam “hinos” que não condizem nem um pouco com a sã doutrina; devemos dar ouvidos a estas mentiras, mesmo quando saídas da boca de um crente?? E há muito não-crente que canta coisas corretas; devemos desprezar o que é certo só porque quem compôs ou quem canta não faz parte de nossos arraiais?
5. A MÚSICA GOSPEL É UMA DAS FORMAS DE SE PREGAR O EVANGELHO AOS NÃO-CRENTES
E eu até poderia concordar com isso se as letras das músicas fossem fieis ao Evangelho descrito na Bíblia, mas não são! As letras destas músicas gospel só tratam das bênçãos que o homem quer, as quais já citamos e repetimos: vingança, enriquecimento, honra, dupla honra, vitória, restituição etc. Não! Infelizmente, músicas gospel NÃO PREGAM O EVANGELHO, pois suas letras não contém o verdadeiro Evangelho!
Além disso, nestas músicas não se conclama o homem ao reconhecimento de sua condição de pecador, ao arrependimento, à mudança de vida e atitudes e à necessidade de se submeter a Deus. Desculpem, mas não conheço pregação evangelística que não trate de pelo menos um ou dois destes assuntos! Por favor, identifiquem pelo menos UM DELES na música gospel SABOR DE MEL…
Aqui pra nós, seja sincero: qual é o “evangelho” que um “hino” como EU VOU VIVER UMA VIRADA prega?? Em que parte da letra encontramos a convocação ao arrependimento e conversão?? É uma música de entretenimento, e confesso que até gosto dela, musicalmente falando, mas a letra não evangeliza ninguém!
6. O CRENTE É EDIFICADO AO OUVIR MÚSICA GOSPEL
Não, o crente é edificado ao ORAR, LER ou OUVIR A PALAVRA, JEJUAR… A música, em todas as esferas, tem função de entretenimento, e à música religiosa se soma a necessidade de exatidão doutrinária, ou seja, a letra deve OBRIGATORIAMENTE refletir a sã doutrina. Só assim, atrelada à sã doutrina, sem desvios doutrinários ou erros, ela está apta para edificar, pois ouvi-la se equipararia a ouvir a Palavra. Quando a música cristã reflete fielmente a Palavra de Deus e a sã doutrina, aí sim ela passa a edificar quem a ouve.
A maioria das músicas gospel não têm letra baseada na sã doutrina, e sim são compostas estrategicamente com letras “pra vender”, para agradar à massa consumidora e o sistema vigente; logo, não edifica coisíssima nenhuma, Apenas serve, assim como qualquer “música do mundo”, como entretenimento, e entretenimento maligno, pois enquanto teria a OBRIGAÇÃO de ensinar a verdade, pelo contrário, ensina doutrinas erradas a quem as ouve, e passa-lhes o status de verdade absoluta; afinal, é uma música gospel, santa!
Sinceramente: há mais edificação ao se ouvir certas músicas “do mundo” do que ouvir certas músicas gospel completamente desprovidas de conteúdo bíblico e, principalmente, de bom senso! Um exemplo disso é JESUS SALVADOR, de Roberto Carlos, que é muito mais edificante se comparada com 500 GRAUS, da Cassiane!!
7. OS COMPOSITORES DO MUNDO MUITAS VEZES SÃO ADEPTOS DE RELIGIÕES AFRO, ESOTÉRICAS ETC
É verdade! E os compositores gospel são adeptos do movimento gospel, comprometidos com tal movimento, que deturpa o Evangelho, muda seus princípios, distorce as Escrituras e perverte a sã doutrina. Além disso, têm o dinheiro, a fama e o estrelismo como pilares maiores. Neste aspecto, não sei quem está em posição pior… Aliás, sei sim! Certamente, aquele que conhece o Evangelho mas que compõe músicas que transmitem ideias e conceitos diferentes do Evangelho, que fomenta o erro ao invés de proclamar a verdade, é mais culpado do que aquele que NÃO CONHECE o Evangelho.
8. AS MÚSICAS GOSPEL TÊM MAIS QUALIDADE QUE AS MÚSICAS “DO MUNDO”
Acredite quem quiser, mas já me mandaram este argumento aí!!  E quem mandou só pode estar de brincadeira!!  Quem considera a qualidade da música gospel superior à das músicas “do mundo” deve ter algum problema!!  Exceto raríssimos exemplos, ocorre exatamente ao contrário! Em todos os quesitos — harmonia, melodia, ritmo letra — a música “do mundo” é superior! Observem-se estes quesitos em músicas de Djavan, Ivan Lins, Jorge Vercilo, e comparem com os mesmos quesitos nos cantores gospel mais famosos…  É claro que há casos e casos! Toda generalização é burra. O lixo e o chorume podem ser encontrados em ambas as vertentes! Há muita coisa boa, no sentido de harmonia, melodia e ritmo, em muitas músicas gospel, e muita coisa ruim no ramo secular. Por exemplo, a banda Diante do Trono possui excelentes arranjos, e o mesmo se aplica à cantora Fernanda Brum. Quanto às letras… Prefiro não comentar! Pelo menos, por enquanto…
9. AS MÚSICAS GOSPEL TRANSMITEM O RECADO DE DEUS PARA O HOMEM PECADOR
Não. Elas no máximo transmitem o recado do(s) compositor(es), do(s) cantor(es), do(s) produtor(es), do líder da denominação, da “visão ministerial” e da Editora ou Gravadora que está por trás do cantor ou da banda! Transmitiria o recado de Deus se houvesse fidelidade doutrinária. Muitas vezes, cantores são apoiados por determinado ministério, e são obrigados a gravar “hinos” que referendam as doutrinas deste “ministério”, e para continuar sendo apoiados tais cantores se submetem à prostituição doutrinária.
Um exemplo disso é o cantor Nani Azevedo (de quem gosto muito), apoiado pela Editora e Ministério de um grande pastor brasileiro. Em um dos seus últimos discos, ele gravou a música ENQUANTO O MILAGRE NÃO VEM, que para fazer coro com o ministério do citado pastor traz em sua letra esta pérola: “Sei que a prosperidade vai me acompanhar enquanto eu semear”. Ele foi obrigado pelas circunstâncias a promover a “visão da semeadura” que seu mecenas tanto prega!
10. A MÚSICA GOSPEL APROXIMA O HOMEM DE DEUS 
Como assim?? De que forma um axé gospel, tocado em cima de um trio elétrico em uma das muitas “Marchas-Para-Não-Sei-Quem” e acompanhada por uma multidão de foliões, digo, fiéis pulando atrás do trio, os aproxima de Deus??  Desde quando uma letra que prega inverdades doutrinárias (como, por exemplo, as que nos ensinam a DETERMINAR a nossa vitória, EXIGINDO isso de Deus) aproxima alguém de Deus?? Desde quando uma música aonde vocifero maldições e pragas contra “os que me viram passar na prova e não me ajudaram” me aproxima de Deus, uma vez que Ele mandou exatamente o contrário: “Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem”  (Mt 5:44), e Paulo arremata em seguida: “Abençoai aos que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoeis” (Rm 12:14)?? Não entendi… Dá pra me explicar melhor?
11. A MÚSICA GOSPEL PREGA A VERDADE
Ah, como eu queria que isso fosse verdade!! Mas pelo contrário, ela prega, ensina e dissemina a mentira!
Em primeiro lugar, o que é a verdade? Platos fez esta pergunta a Cristo, e não obteve resposta. Entretanto, o próprio Senhor Jesus deixou a resposta bem clara por ocasião de sua oração sacerdotal: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (Jo 17:17). Não são os meus conceitos, não é a interpretação que eu dou às Escrituras, não é o corpo doutrinário desta ou daquela Igreja. A PALAVRA DE DEUS é a verdade. E por consequência, somente aquilo que concorda com a Palavra é a verdade. Pregação da verdade é, inexoravelmente, pregar de conformidade com esta Palavra. Assim sendo, os meus conceitos a minha interpretação ou o corpo doutrinário da Igreja tem que estar submissos à Palavra!
A música sacra tem como obrigatoriedade a fidelidade doutrinária. Quando sua letra é um reflexo fiel do que ensina a Escritura, ela não só transmite a verdade como facilita aos ouvintes o entendimento e assimilação desta verdade. A música secular não tem esta prerrogativa, pois ela apenas se dá à função de entreter. A música sacra, tem função dupla: entreter e ENSINAR! Eis porque ela precisa estar atrelada à verdade, à sã doutrina.
A música secular, “do mundo”, não tem pretensões de ensinar verdades, mas de entreter os ouvintes. O cantor “do mundo” Caetano Veloso escreveu em sua música COMO DOIS E DOIS a seguinte frase musical: “Meu amor / Tudo em volta está deserto, tudo certo / Tudo certo como dois e dois são cinco”. Evidentemente, sua intenção NÃO FOI ensinar uma verdade, quer teológica ou matemática, e sim se utilizar de ironia. Ninguém em são juízo, ao ouvir dez ou vinte vezes esta música, irá concluir que 2 + 2 = 5.
Na música sacra, entretanto, quanto mais ouvimos “pérolas” do tipo “Restitui… Eu quero de volta o que é meu”, a autoridade de música gospel e religiosa transmite a ideia de que a doutrina da restituição se trata de uma verdade absoluta, presente nas Escrituras. E o povo cai, inexoravelmente, no engodo, e é conduzido ao erro! Assim sendo, seus compositores e cantores cometem dois pecados: ensinar o erro, e cantá-lo com tal autoridade que muitas pessoas, uma grande multidão, toma estas palavras em pé de igualdade com a Bíblia! Assim, muitas músicas gospel na verdade estão prestando um grande desserviço à sã doutrina, ensinando mentiras como se fossem verdades e levando multidões a abraçar o erro.
A música gospel está longe, MUITO LONGE, de pregar ou ensinar a verdade! Ela é, na verdade, uma disseminadora e perpetuadora de mentiras! A cada nova “pérola musical” que é lançada, pastores sérios e comprometidos com o rebanho têm um trabalho hercúleo de mostrar os erros, ensinar a verdade e remar contra a maré da geração gospel, pois os grupos de louvor querem imediatamente incorporar tais músicas, que fazem muito sucesso no meio cristão, a seu repertório. Proibir sua execução torna o pastor zeloso um estraga-prazeres!
A maioria quase absoluta das músicas gospel pregam A MENTIRA. E cabe a nós denunciarmos isso, mostrarmos o erro e abolir este lixo mentiroso de nossos altares!
—————————-
O grande objetivo deste artigo não é desmoralizar a música sacra, que é importantíssima na adoração e no processo de doutrinação da Igreja. O objetivo é mostrar que a música gospel nada tem, ou pouco tem, de sacra. Não pretende incentivar a música secular, mas chamar a atenção para as incongruências da chamada música gospel, que infelizmente está atrelada a sistemas mundanos tão escusos que se desvirtuou da verdadeira adoração, da fidelidade escriturística e doutrinária.
Nada tenho contra os cantores e/ou compositores citados neste texto. Canto muitos hinos dos mesmos citados, desde que sejam cristocêntricos, de real adoração a Deus e que possuam letra bíblica. Apenas gostaria que eles fossem mais criteriosos ao compor ou cantar um hino. Voltem às Escrituras! Tornem à sã doutrina. Abandonem a indústria gospel!! Aí sim, a música gospel se converterá em música cristã e será, em todas as instâncias, preferida diante das músicas “do mundo”. Mas não fará das músicas “do mundo” um pecado!

(Autoria de Zilton Alencar do  Genizah)

Confissão da Palavra

A confissão da Palavra é poderosa para resolver qualquer situação. Contudo, as pessoas só recorrem a Ela como última opção para os casos impossíveis e mesmo assim às vezes não vêem resultados — porque desistem antes de atingirem a fé necessária para receber o milagre. Deus se importa com todas as situações de nossa vida, mas só pode agir quando cremos no que Ele diz.

(autor: pr. Dave Roberson)

Image

Escola do Espírito

Imagem

Se você precisa entrar em alguma escola, que seja na escola do Espírito Santo, lá, você vai aprender quatro coisas básicas: orar, crer, amar…….E CONHECER O SENHOR.

CHEGA de escolas que nos ensinam a ser naturais, eu quero viver na Escola que me ensina a transformar água em vinho, andar sobre as águas.

Na escola do Espírito você não aprenderá a ser como Adão, aprenderá a ser como Jesus, ser um multiplicador de pães e peixes, coisas assim.

Precisamos urgente de uma geração como João Batista, que teve CORAGEM de abandonar uma carreira como sacerdote pra ir morar no deserto.

João Batista foi morar no deserto e viveu jejuando, só comia gafanhotos e mel, estava na escola do Espírito, onde está esta geração?

Onde está a geração que não está mais atrás de formas e regras, nem de métodos ou estruturas seguras, uma geração quer o AVIVAMENTO!

Onde estão os homens e e mulheres que vão orar oito, nove, dez oras todos os dias? Onde estão? Um povo entregue no altar da oração e do jejum.

Onde está a geração agressiva, radical, em santidade e amor, um povo que conhece mais o céu do que a terra! Um povo que já morreu para esse mundo.

Onde estão aqueles que REALMENTE quando levam um tapa na cara, viram a outra face, andam a segunda milha, deixam também a túnica? Onde estão?

Onde estão as pessoas que simplesmente sabem PERDOAR, ódio e amargura são palavras DESCONHECIDAS em seus sentimentos! Onde estão?

Onde estão aqueles que vão amar e orar não pelo seus AMIGOS, mas pelos seus INIMIGOS, onde estão? Onde colocaram o Evangelho? Onde?

O que vemos são impérios religiosos matadores de crianças, que transformam futuras árvores em lindos bonsais em suas prateleiras religiosas!

Deus permitiu uma crise na Vida de Ana, ela era estéril e estava sendo humilhada, a fim de tirar ISRAEL de uma crise profunda espiritual.

Que o Senhor encontre os Saulos desse tempo que em sua sinceridade estão na rota errada, que o Senhor os cegue temporariamente e mude suas rotas.

Uma nova geração de Apóstolos e Profetas se levantará! Homens que conhecem a Deus, não um sistema.

Seu servo e amigo no Evangelho,

Eber
[ Twitter: @eberouvirecrer ]

Discípulos de Quem?

Imagem

A pergunta que faço hoje é: Se somos cristãos, somos discípulos de Cristo, então por que  na maioria dos púlpitos do sistema denominacional  não é pregado o evangelho, a vida de Cristo, a humildade, o amor verdadeiro sem interesse? Por que não é pregado o perigo das riquezas (Mateus 19:24)? Por que não é pregado atos dos Apóstolos onde tudo era dividido igualmente e à ninguém faltava coisa alguma  (atos 2:44)?  E o  sofrimento e o desprendimento total de Paulo pelas coisas desse mundo?Assim como está escrito : “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (1 Coríntios 11:1). Temos sido imitadores de Paulo ou de Cristo?

E mais ainda, por que não é pregado a Graça de Deus?

O que eu mais ouço são pregações sobre Moisés, Davi, Abraão, José e outros heróis da fé… o grande problema é que a mensagem é sempre a mesma: a vitória depois do deserto, o sucesso que veio depois do sofrimento, a riqueza depois da miséria…pregações onde o homem e suas necessidades são o centro de tudo!  Deus vai fazer,   Deus vai cumprir, Deus não esqueceu de você,  Deus vai te colocar em uma posição de honra (essa é boa… kkkkk…), Deus nunca fica devendo nada à ninguém…Oi? Deus devendo? Como assim? Enfim, um verdadeiro “festival de promessas” como diz a Rede Globo!

E as raríssimas vezes que é citado  a Nova Aliança é nesse mesmo contexto distorcido…outro dia eu ouvi o nosso querido irmão Caio Fabio dizendo que podemos citar o mesmo nome, mas se não citarmos exatamente o que essa pessoa  faz, o que ela pensa e quem é ela é apenas um nome qualquer, e é exatamente assim que estão pregando  hoje em dia, uma farsa, apenas um nome que se pode manipular, outro deus, outro jesus e não o Nome sobre todo nome, a Verdade que liberta, o Caminho que nos traz a salvação e a Vida em abundância espiritual, abundância de amor e de paz!

Se não pensamos e agimos dessa maneira:

“Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?” (Marcos 8:36)

“Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou 
pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. (Mateus 6:25-34 )

“Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a ferrugem e as traças corroem, onde os ladrões furtam e roubam. Ajuntai para vós tesouros no céu, onde não os consomem nem as traças nem a ferrugem, e os ladrões não furtam nem roubam. Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração. O olho é a luz do corpo. Se teu olho é são, todo o teu corpo será iluminado. Se teu olho estiver em mau estado, todo o teu corpo estará nas trevas. Se a luz que está em ti são trevas, quão espessas deverão ser as trevas!” (Mateus 6, 19-23).

A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. (Tiago 1:27)

Devemos repensar nossos conceitos e discernir quem é o nosso verdadeiro mestre!
[Autoria de Carla Bichara; Extraído do blog: Eu quero uma Igreja orgânica]

Discípulos de Jesus ou discípulos da ”igreja”? Faça o teste!

Imagem
Discípulos de Jesus são os que com Ele se identificam como Senhor, como Deus, como amigo e como Pai.
Eles entendem que Jesus veio implantar um Reino que não é “deste mundo”. Eles são capazes de servir e se doar sem um desejo escondido por ganância e promoção.Os discípulos de Jesus não servem só quando o Pastor está olhando. Eles muitas vezes, o fazem em secreto. Mesmo quando são “injustiçados” não proclamam sua causa publicamente. Sabem perdoar mesmo quando a ofensa é grande. Não manipulam passagens bíblicas para sustentar seus desejos maquiavélicos de grandeza e vingança. Não invejam ministérios e nem difamam por falta de argumentos.

Mesmo quando não concordam, sabem amar e separar o pessoal do social. Amam seus inimigos e não prometem retaliação. Discípulos de Jesus são a verdadeira Igreja que não conquistará a “política”, mas conquistará os corações. Esta igreja é perseguida, da mesma forma como os fariseus “religiosos” fizeram com Jesus. Esta, não é a maioria e está presente dentro e fora da Igreja Institucionalizada.

Já os discípulos da “Igreja” são constantemente vistos em brigas e dissensões dentro das suas comunidades da fé. Seu discurso de santidade só serve para o outro, pois sua fala não condiz com o comportamento marcado por inveja e fofoca. Adoram aparecer e se preciso for irão usar táticas carnais para derrubar aqueles que estão no caminho da sua promoção.

Usam o púlpito para indiretas e ofensas. Quando se levantam contra a Igreja de Jesus, geralmente não sucedem. Quando encontram pessoas de ponto de vista diferentes dos seus ou dos seus líderes, rotulam e dificilmente perdoam. Não sabem diferenciar a defesa do Evangelho do julgamento social.

O discurso de ganância é muito atraente para estes, pois seu coração se identifica com tais sentimentos. Eles querem mais desta terra mesmo que sua oferta seja a base da ganância. Usam Deus e seus “princípios” para decretar falência, derrota bem como benção e maldição. Enquanto os líderes desta Igreja enriquecem, o povo se distancia do Evangelho de Jesus.

Nesta Igreja os líderes são carismáticos, gananciosos e políticos (nem sempre politizados). Além disso, se auto declaram patriarcas, sacerdotes, apóstolos e vice representantes de Jesus. Não sabem, contudo que este Jesus deles já se apartou. Estes prevalecerão até que se cumpra a Escritura e a apostasia cresça (dentro da Igreja).

Faça o teste e veja onde você se encaixa!

(Fonte: Gospel +)

Religião e Religiosidade

Image

A religião sempre estraga tudo se deixarmos, pois ela nos tira da escola que formou Jesus Cristo: a escola do Espírito Santo!
A religião é filha da árvore do conhecimento do bem e do mal, quanto mais se alimenta dela, mais decepcionado fica, mais vazio fica…
O ruim da religião é que por causa da nossa alma tendenciosa, ela atrai, mas depois manipula e prende. A pessoa piora ao invés de melhorar!
A vida espiritual assusta o religioso, porque a vida espiritual segue Jesus pra onde Ele for, o religioso segue os comandos da alma e das regras.
O pior religioso é aquele q um dia foi espiritual e hoje ele não tem mais essência, só ficaram as máscaras e aparências, não há mais intimidade!
O primeiro passo pra sair da religiosidade não é sair de igreja nenhuma, é entrar em intimidade com Jesus, é ter vida com Ele de verdade!
Qual a grande diferença do religioso e do homem espiritual? O segundo está sempre livre pra seguir a voz do Espírito, o primeiro não!
Não seja um religioso morto e apenas membro de uma igreja evangélica, aprenda a seguir Jesus dentro de você, ouvindo Sua voz e seguindo-O!!!
O melhor caminho de volta, não importa onde esteja na altura da religiosidade, é sempre voltar ao primeiro Amor, às primeiras obras! INTIMIDADE.
Jesus é Jesus, apenas fique perto dEle e tudo se explica espontaneamente, sem esforço e na hora certa!

pr. Eber Rodrigues

Crer sempre, recuar jamais!

Quando você decide ficar perto de Deus, você passa a gostar das coisas que Ele gosta.
O nosso trabalho é crer, o trabalho de Deus é fazer. E há coisas na sua vida que Deus pode mudar. Então acredite sempre….
Crer sempre, recuar jamais, assim é a FÉ.

Pr. Geraldo Nascimento / Twitter: @ouvirecrerge

Imagem

Decida crer!

Diante de qualquer situação você já tem sua herança, conquistada na CRUZ, decida crer, só isso, decida! Agir em fé é ensinar você mesmo, fé se aprende praticando. Quando você DECIDE CRER, começam as aulas “mo campo de batalha”: vá guerrear!
Crer é saber por dentro por causa da fé vinda de ouvir Deus, que a situação já está resolvida, e porque está resolvida, ajo como ajo!
Crer não é um esforço mental, é apenas aceitar a Palavra como REALIDADE a ponto de colocar ela em ação!
Ao crer, VOCÊ TOMOU UMA DECISÃO NO ÍNTIMO e entrou no tudo é possível que Jesus disse!
O que Deus consegue mudar dentro, no íntimo, substituindo o humano pelo Divino, tornar-se Sua morada de vitoria em nós! Ali, REINAMOS!!!

pr. Eber Rodrigues

1234745_508108692603798_803776140_n

Creia e Diga!

Falar a Palavra depois de ter crido com o coração irá reprogramar sua mente e liberar a fé, faça isso constantemente, agir purificará a alma.
Crer é ministrar pra si mesmo, pois é o único processo que transforma e purifica a alma daquilo que não é a Verdade de Deus pra nós!
Orar em línguas é uma terapia do espírito, isso trará ao coração REVELAÇÃO. Agir segundo a revelação é terapia pra alma, NEGUE A SI MESMO!!!

pr. Eber Rodrigues
www.ouvirecrer.com.br

Imagem

Devemos somente crer!

Imagem

Nossas vidas pra Deus é como um livro que Ele pode abrir a página onde quiser e saber o que foi, é, e ainda será, então é melhor confiar mesmo.
Às vezes simplesmente não entendemos certas instruções do Espírito Santo, mas aprenda a confiar nEle, lá na frente tudo ficará claro!
Às vezes saber as resposta irá piorar a situação, e apenas confiar te encherá de paz, pois Ele tem tudo sob controle PRA VOCÊ!
Deus é Soberano, isso significa que Ele está acima, bem acima das nossas perspectivas da situação, como nosso Pai, confiar é a melhor opção.
Não adianta aprender tudo sobre Deus e não aprender a simplesmente CONFIAR nEle!
Você não tem que ser o cara, Jesus já é O Cara, o que você realmente precisa se especializar é em simplesmente CONFIAR QUE O QUE ELE TE DIZ, É!
O maior esforço de um cristão deveria aprender a confiar em Seu Pai, crer nEle, pois a única coisa que agrada a Deus é FÉ!

Twitter: @eberouvirecrer

Fique nEle!

Imagem

Tudo que eu não sou por mim mesmo, e eu não sou NADA, Jesus se tornou por mim em Sua morte e ressurreição. NEle sou perdoado, sarado, liberto!
Não há nada oculto diante dos Seus olhos, até as mais densas trevas pra Ele são luz, então porque não confiar nEle, se Ele sabe todas as coisas?!
Existem fundamentos em Deus que Ele quer transferir pro nosso espírito a fim de sermos como Ele é… Esses fundamentos sempre existiram nEle!
Deus não anda sobre regras que os homens tentam colocar pra Ele pisar, Ele anda sobre FUNDAMENTOS ETERNOS que sempre existiram Nele mesmo!!!
Quando Deus decide promover alguém, ninguém e nada podem impedir, “Agindo Eu, quem impedirá?”

FIQUE NELE!

Não há lugar em que você esteja que Ele já não esteve aí por você e pode te ensinar passo a passo a sair dessa situação.

Confie Nele!

Twitter: @eberouvirecrer

Recebendo a Palavra

Imagem

Ao receber a Palavra no coração, decida perseverar Nela até o fim, pois a perseverança é o CAMINHO DA NUTRIÇÃO E FORTALECIMENTO NO ESPÍRITO. Quanto mais você persevera no espírito pondo em ação o que Deus te diz, mas aquela Palavra se desenvolve e ganha corpo em seu espírito.

Perseverar é receber nutrição da Vida que está na Palavra que foi implantada em seu coração, persevere e cresça.

Quanto mais você fica na Palavra que Deus te deu, mais ela vai tomando conta do seu coração e mente, vai você mesmo vai sendo transformado.

Perseverar é, depois de ter crido, ficar na Palavra enquanto ela transforma você.

Você não se transforma por esforço próprio, é a Palavra que faz isso, NA MEDIDA QUE VOCÊ PASSA A RESIDIR NELA PELA FÉ!

Seu servo e amigo no Evangelho,

Eber Rodrigues
www.ouvirecrer.com.br

NÃO DEIXE A CONGREGAÇÃO

Imagem

NÃO DEIXE A CONGREGAÇÃO!!!

ESSE VERSO É UM DOS MAIS USADOS PELO SISTEMA PARA MANTER AS PESSOAS PRESAS A ELE.

“Não deixe a vossa congregação”? Congregar é reunir-se! NÃO É FREQUENTAR UMA INSTITUIÇÃO OU EMPRESA!!!! MAS Onde estiver dois ou mais, falando do evangelho ele estará. seja onde for.

JESUS EXCLUIU A NECESSIDADE DO TEMPLO E INSTITUIÇÕES NESSA PASSAGEM!!!
ESTANDO DOIS REUNIDOS NO NOME DELE, ESTÁ FEITO!!

AGORA, A REUNIÃO DOS APÓSTOLOS NADA TEM A VER COM A REUNIÃO DO SISTEMA RELIGIOSO ATUAL.

A congregação (Atos 2.42-47) bem como a nomeação de Pastores foi estabelecida para os iniciantes, meninos na fé, que estavam no leite, pois além de não terem a palavra por escrito, estavam sendo enganados conforme explica Paulo em (Ef. 4.11-14), essa congregação não era para sempre, era temporária, somente até que cheguem a fé viva, deixando assim o seu guia, para “ide e pregai” no mundo como Cristo fez com os apóstolos. Note que foi puramente contextual! A proposta de Cristo é que ninguém fosse mestre de ninguém, que as pessoas se reunissem em casas, ensinassem umas às outras conforme o dom de cada um e ninguém deveria ser nada nesse grupo, exceto de acordo com o dom da graça recebido. Foi assim que a Igreja viveu até o quarto século. De lá para cá se estabeleceu um modelo que o N.T. não conheceu e nem ensinou. Devemos ser nossos próprios pastores e sacerdotes, congregarmos (reunirmos) aonde estiver dois ou mais que seja na esquina, só de falar em Cristo já se abre uma Catedral em volta de Nós, não é necessário uma instituição religiosa para isso, seja o local que for!

RESUMO:
Congregar é reunir-se! Onde estiver dois ou mais, falando do Evangelho abre-se uma catedral ao redor, seja onde for! A congregação de Hebreus (ajuntamento de cristãos) não foi estabelecida para se frequentar o resto de sua vida e sim até se chegar na maturidade da fé depois é ide pregai, a congregação foi para os iniciantes, meninos na fé, quem estava no leite, foi assim até a instalação da palavra escrita, para que não fossem levados por qualquer vento de doutrina (Efésios 4.11-14/1Coríntios 3.1-23. Agora, para quem alcançou a plenitude da fé não há necessidade, o mandamento é ide e pregai, não é ficar se reunindo, escutando o que já sabemos, isso é religioso!

“É ide e pregai”, Marcos 16:15 não ficar no banco de igreja escutando conversa fiada, anunciar o Novo Testamento, pois aqueles que escreveram o N.T. mais propriedade ainda tem para ensinar! Liderança espiritual e congregação foram contextuais e específicas dada as circunstâncias da época. A orientação sempre foi pregar o Evangelho e não dar dinheiro para que outros preguem em seu lugar! Para quem tem a palavra escrita não se enquadra no conceito das Igrejas de Paulo, você não é mais menino na fé, não está mais no leite! Seja seu próprio pastor, seu próprio sacerdote! Em Cristo, aonde estiver dois ou mais, em seu nome, abre se uma catedral!

(Extraído de Ekklesia – Igreja de Cristo)

Sete perguntas para sermos criteriosos

Imagem

Santidade não é apenas deixar o pecado, mas é separar-se do que é lícito, do que é comum. (Jo 17.19)

Queremos colocar aqui algumas perguntas que devemos fazer para sermos criteriosos:

1ª Co 6.12a – Isto convém?

1ª Co 6.12b – Isto está me dominando?

1ª Co 10.23 – Isto edifica?

1ª Co 10.24,33 – Estou buscando o meu interesse?

1ª Co 10.31 – Isto glorifica a Deus?

Rm 14.15 – Isto provém de amor?

Rm 14.23 – Isto provém de fé?

Estas são perguntas que devo fazer antes de agir em qualquer liberdade. Nós temos que ser criteriosos no uso da liberdade, para não dar ocasião à carne e ela vir a se transformar em libertinagem.

(Extraído de Fazendo Discipulos)

PROTEÇÃO CONTRA OS ESPÍRITOS DO MAL

Você já imaginou se Deus não tivesse estabelecido limites ao mundo espiritual em relação a nós, os humanos?

Já imaginou se os seres invisíveis pudessem nos atormentar indiscriminadamente?

Mas há limites estabelecidos.

Do contrário, este seria um mundo de assombrações, e o pânico e o terror seriam os motivadores das arrítmicas batidas de nosso aflitos corações.

Pedro e Judas, citando textos do livro de Enoque, reafirmam que os anjos que não respeitaram as suas fronteira, que deixaram a sua dimensão (…seu domicílio), e transpassaram as camadas de nosso mundo, a fim de se misturar com “outra carne”, a nossa; foram presos em cadeias eternas, e aguardam o dia de seu julgamento.

Os limites são obra da Graça de Cristo. É a misericórdia de Deus sobre a vida humana, independentemente de credo ou religião.

Deus protege a mente humana e o nosso mundo mais do que podemos imaginar.

Do contrário, se nossos olhos espirituais se abrissem para que víssemos os nossos adversários, cairíamos desfalecidos; ou nos entregaríamos a todas as suas propostas, por medo e puro pavor.

Mas para quem está em Cristo, aí então é que a proteção não é apenas aquela que vem do impedimento dimensional posto por Deus, o que lhes impede as materializações e as intervenções em nosso mundo, tornando-o habitável, pois, do contrário, a existência seria do tamanho do pior pânico.

Em Cristo eu sou imperturbável.

Posso andar pelo vale da sombra da morte, pois Ele está comigo.

Hoje eu tenho mais razão para temer o que me pode fazer o mortal, o homem, pois eis que este não se contem nos limites de sua dimensão, e expressa seu poder dimensional, na Terra, até mesmo com a força e a intervenção de quem pode matar o corpo, e muito pior: usar a língua para destruir toda a carreira de um outro ser humano.

Hoje, para nós, mais perigosos que os demônios, são os homens.

O homem virou o seu pior diabo!

Pra que demônios se manifestem hoje—excetuando as insistentes invocações—, a melhor maneira é mediante as ações dos próprios humanos.

A serpente come o pó da Terra, vive da poeira de nosso caminhar, se alimenta daquilo que é a matéria de nossos movimentos e produções.

Mas para quem está em Cristo, a segurança é total.

O escrito de dívidas—a lei—, que dava poder de neurotização aos espíritos sobre a mente humana, foi removido, cancelado, e encravado na Cruz. E, assim, as camadas espirituais—principados e potestades—foram expostas ao desprezo, e foram “despojadas na Cruz”.

Quem crê, não tem mais medo.

O que mais abre a porta para tais seres é a invocação, ou, então, o medo culposo, e a ambição das conquistas—nesse caso, apesar do medo, faz-se alguma “barganha” com eles…e assim seguem os despachos e os tratos com tais espíritos.

Ora, sei que eles tentam tudo o que podem contra mim. O problema é que nem penso na existência deles. Ando distraído. Minha vigilância nada tem a ver com eles, mas comigo. Eu não os vigio. Eu me vigio. E não é por causa deles, mas em razão do mal que eu mesmo posso me fazer.

Todavia, meu sentido de confiança e proteção são totais.

Estou na concha da mão do Pai, e o Sangue do Cordeiro é o invólucro que me cobre o tempo todo.

Aquele que nasceu de Deus, Deus o guarda; e o maligno não lhe toca!

 

(Caio Fabio D’Araújo Filho)

Ser Salvo

Estava ouvindo Norah Jones, a extraordinária cantora de jazz (esse som do céu), americana, que, merecidamente, ganhou, de uma vez, 8 grammys, o Oscar da música americana, quando Judith me chamou a atenção para o fato da voz de Norah lembrar, muito, a voz duma grande amiga nossa, outra cantora maravilhosa. Imediatamente fui transportado para a realidade dessa amiga.

Nossa amiga é uma mulher que, até ser salva por Cristo, só conheceu o sofrimento, do mais atroz; consumida pelas drogas e pela violência, teve sua genialidade comprometida, de fato, era para estar vegetando sobre uma cama, foi, miraculosamente, salva por Jesus. Foi e está sendo salva, pois, ela pode ir muito mais longe. O que me leva para a questão que gostaria de lhe propor.

O que é uma pessoa salva?

Um ser humano salvo é alguém que se tornou semelhante a Jesus, como preconiza Rom 8.29. Uma pessoa semelhante a Jesus reproduz o caráter dele: ama ao Pai, a si mesmo e ao próximo como ele amou. E você sabe, o amor está, basicamente, definido em 1Co 13 e em Gl 5.22,23: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio”. Depois de amor deveria vir a pontuação “dois pontos”, porque todas as demais virtudes são componentes do amor. Uma pessoa salva é alquém que, a exemplo de Jesus, tem os dons e talentos plenamente desenvolvidos, fazendo tudo o que pode, cumprindo, cabalmente, o seu, insubstituível, papel na vida; tendo, portanto, superado seus traumas e fraquezas pelo pleno domínio da natureza divina em si. Está totalmente curada: espiritual, física e emocionalmente. Também, está curada socialmente, seus relacionamentos são sadios, não comete mais nenhum tipo de acepção de pessoas. E, finalmente, coroando o processo, todo o ambiente em que vive, suas circunstâncias estão curadas. O que implica na necessidade do estabelecimento do novo céu e da nova terra para a consecução da salvação.

Então, ninguém está salvo! Dirá você. É que, ao mesmo tempo, em que já estamos salvos, estamos sendo salvos. Como disse Paulo em Fp 2.12b: “Continuem trabalhando com respeito e temor a Deus para completar a salvação de vocês.”(BLH).

A salvação tem fases:

1- Sair do inferno – “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados.” (Col 1.13,14). Tem um lado nessa fase, que precisa ser bem acompanhado, a gente é convertido, perdoado, porém, pode trazer muitas das cadeias que nos aprisionavam: “Fazei, pois, morrer a vossa natureza terrena: prostituição, impureza, paixão lasciva, desejo maligno e a avareza, que é idolatria; por estas coisas é que vem a ira de Deus [sobre os filhos da desobediência]. Ora, nessas mesmas coisas andastes vós também, noutro tempo, quando vivíeis nelas. Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto: ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar. Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com os seus feitos (Col 3.5-9). O problema é que estas questões, não só estão em nossa natureza, como, são ressaltados por nossos traumas, e pelo jeito, errado, como aprendemos a ser gente, dando espaço para o inimigo em nossas vidas. É uma fase em que, muitas vezes, precisamos de libertação, embora, estejamos convertidos.

2 – Reaprender a ser gente – ” Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.” (Fp 4.8). Crescemos, na maioria dos casos, sendo gente do jeito errado: ” fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram.” (1Pe 1.18b). Logo, temos de reaprender a ser gente, que é um processo de aprendizado dos valores pregados pela Bíblia, é processo de mudança de forma de ver o mundo, pela renovação dos conceitos:”E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente.” (Rm 12.2).

3 – Tornar-se gente nova – Uma coisa é concordar com os conceitos de Jesus, outra, bem djferente é reagir como ele, amar e servir como ele. Isto é resultado de um processo de arrependimentos onde a natureza divina vai tomando todos os espaços de nosso ego, até que a beleza de Cristo se veja em nós, pela manifestação de seu caráter.

4 – Alcançar a plenitude como pessoa – Esta é uma face da salvação, da qual nem sempre nos damos conta. Uma pessoa está completamente salva quando alcançou a plena realização como ser humano, está integrada à comunidade e está no pleno uso de seus dons e talentos.

Isso pede que a Igreja seja um lugar de estímulo ao salvo, um lugar de devoção, comunhão (uma comunidade de amigos), um espaço onde todos os dons e talentos possam expressar todo o potencial recebido do Senhor. A Igreja é chamada a ser exemplo de ambiente de emancipação humana e, também, para ser agente da mesma no mundo. Por isso a ação social e politica faz parte da pregação do evangelho. Ser salvo é ter recuperado a dignidade humana em toda a sua abrangência.

(autoria de Ariovaldo Ramos)

1 trecho dO livro mais mal-humorado da Bíblia

“A religião é uma aranha. O canto da sereia religiosa não segue os mesmos compassos da alma sincera em busca de alívio. Religião e anseio por Deus são linhas paralelas. A alma sincera quer encontrar o caminho que leva a Deus, olhando com atenção e reverência, mas a religião quer regulamentar, estabelecer rotas fixas e punir quem não segue seus ditames.

A religião é traiçoeira porque se faz passar pelo caminho verdadeiro para Deus, mas acaba engolindo quem se aproxima dela. A religião é venenosa porque a peçonha indolor só dá sinais de seus efeitos danosos com o tempo. E quando isso acontece, o estrago já está feito.

A religião é traiçoeira e venenosa. Em vez de ser uma caminho de virtude, na verdade é um caminho de tolice. É por isso que precisamos vencê-la.” 

(Ed. René Kivitz, em O livro mais mal-humorado da Bíblia)

A Palavra Eterna

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus… E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós.” (João 1.1 e 14)

Pelo fato de sermos limitados pelo tempo e espaço, temos dificuldade de formularmos uma concepção sobre a eternidade passada. No entanto, antes de qualquer começo, não importa quão antigo possa ter sido, o Senhor Jesus já era Deus Filho. O “Verbo”, como Ele é chamado nos versículos acima, nunca conheceu o começo.

O que entendemos sobre o termo “Verbo” quando aplicado à Cristo? Assim como expressamos nossos pensamentos e sentimentos por meio de palavras, assim o Senhor Jesus é a perfeita revelação de Deus. E o Verbo eterno se tornou homem. Ele, que não teve começo, entrou na esfera limitada pelo tempo e espaço, tornando-Se ser humano a fim de revelar Deus para a humanidade. Em tudo o que o Senhor Jesus fez e disse podemos reconhecer quem Deus é.

Mas o Senhor não mostrou apenas a essência do caráter de Deus. Ele cumpriu todos os desígnios divinos também. Sua vida perfeita, Sua morte vicária e Sua gloriosa ressurreição abriram o caminho para Deus. E essa é a razão pela qual pôde afirmar aos Seus discípulos: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim” (João 14.6). E quanto à própria vida, Ele disse: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17.3).

E para que O conheçamos melhor, Deus nos deu Sua Palavra, a Bíblia. O Antigo Testamento é repleto de referências proféticas à Ele, enquanto o Novo Testamento nos mostra Sua vida e os resultados de Sua morte expiatória e ressurreição.

(Fonte: agenda Boa Semente 2012)

Os números de 2011

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2011 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos da Ópera de Sydney tem uma capacidade de 2.700 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 23.000 vezes em 2011. Se fosse a sala de concertos, eram precisos 9 concertos egostados para sentar essas pessoas todas.

Clique aqui para ver o relatório completo

AFINAL, QUAL É A CRISE DA IGREJA EVANGÉLICA?

“Se algum dia conhecemos a Jesus segundo a carne, já, agora, todavia, não o conhecemos desse modo” (Apóstolo Paulo)

“O Evangelho não foi provado e julgado falho. Ele foi julgado difícil e portanto permanece não provado até hoje”(Soren Kierkegaard)

Alguns dizem que “a crise da igreja evangélica é uma crise de conteúdo”, conforme li numa declaração de um “pensador evangélico” recentemente.

Ora, se for “evangélico”, não é pensador; e se for pensador, não será mais “evangélico”.

Ninguém que pensa, é “evangélico”. Não mais hoje em dia. Nem tampouco ninguém que sente com verdade é “evangélico”. Não mais hoje em dia!

Portanto, saibam os “evangélicos”: se pensar, não é “pensador evangélico”; assim como se tiver alma, não será “psicólogo evangélico”. Daí, para mim, a frase “pensador evangélico” ou “psicólogo evangélico” ser uma impossibilidade da mente e da alma.

No mesmo texto ao qual antes me referi decretou-se a morte do “movimento evangélico”.

Engano! Isto não acontecerá!

A “igreja evangélica” não morrerá. Ela já está morta. Todavia, o “movimento evangélico”, saibam todos, não morrerá. Sim, ficará aí… e será o que todas as outras religiões são, mesmo as mais “mortas”; apenas com uma diferença: os evangélicos são os menos sofisticados de todos, à exceção, talvez, dos islâmicos fanáticos.

Quem dera a “crise evangélica” fosse tão simples!

A questão é que quem não conhece os proponentes dessas coisas e nem sabe o que é “conteúdo” para eles, fica pensando que trata-se de algo denso e sólido. Mas não é. De fato é algo morto já faz tempo, e que tentou ser uma alegria para muitos, mas não foi, posto que não se ancorava na Graça, mas na Teologia.

Quando falam em “conteúdo”, conforme o texto ao qual faço aqui referencia, eles evocam a idéia de uma teologia meiga, e que seja bonitinha, palatável, suavemente psicologizada, politicamente correta, socialmente solidária, discreta, pensativa, reflexiva, que evoque a ternura de Deus como Pai e que gere uma ética de etiquetas morais disfarçadas de integridade.

Ou seja: os tais “conteúdos” são coisa ainda do jardim da infância da realidade, conforme o Evangelho, posto que na melhor das hipóteses fazem com que o indivíduo seja agradável e saiba se comportar socialmente, para fins de consumo relacional… isso quando tudo está em ordem… Porém, os mesmos “conteúdos”, fazem esses mesmos indivíduos serem completamente “judiciosos”, completamente “teóricos”, profundamente “apenas teo-lógicos”, imensamente “racionais”, ou, quando não são “racionais”, são, entretanto, ainda filhos de uma “mística sistêmica”; ou seja: aprendida, não necessariamente experimentada.

Do ponto de vista da existencialidade tais conteúdos não realizam nada, a menos, como já disse, que esteja “tudo bem”.

Não liberta da inveja, do orgulho, da vaidade de pensamentos, do espírito faccioso, do direito ao escândalo, da sensualidade adoecida, da espiritualidade livresca, das fobias de alma, da insegurança de ser, da necessidade de parecer ser, de pavonêscas sofisticações, do academicismo vazio, das muitas e muitas reuniões lindas e singelas, porém, cheias de nada…

Ou seja: tais “conteúdos”—que se são confessados é porque por eles são “conhecidos”, do contrário, que certeza se teria acerca de sua validade?—não produziram nada nas vidas de seus proponentes senão apenas as coisas por mim acima mencionadas, e que eles sabem muito bem serem verdadeiras.

Sim, eles terão que se arrepender de tais “conteúdos”!

Esses “conteúdos” são uma bolha de teorias apenas úteis para que um grupo de meninos se encontre com outros meninos e mostrem uns aos outros os seus joguinhos virtuais, pois, de fato, em nada afetam a realidade; coisa essa que eles nem ainda sonham em saber o que é.

Sim, tais “conteúdos” são ainda fruto da produção mental de uma tentativa protestante-iluminista, ou, às vezes, de uma busca de experimentar uma espécie de Renascença Cristã. Mas não são nada que se relacione à visceralidade radical do chamado do Evangelho.

“Conteúdo” muitas gente tem entre os evangélicos. Mas e daí? Tais “conteúdos” não são vida, são ainda apenas letra; letra bela, bem escrita, às vezes até poética, porém Letra, nada mais que letra…

A crise dos evangélicos é bem mais profunda, e, entre outras coisas, inclui também esses “conteúdos” que alguns dizem que é o que falta na igreja.

Deus me livre! Se a igreja for visitada pelos “conteúdos” deles teremos apenas um monte de frouxos, profetas de si mesmos, reis da média, profundamente convenientes, educadamente traiçoeiros.

Ora, de fato, os tais “conteúdos” são parte da crise que eles dizem existir (e com que atraso enxergam o óbvio, antigo e já fóssil!).

Conquanto haja muitos para os quais a tal falta de “conteúdo” possa ainda ser algo relevante, há, todavia, um monte de gente com tais “conteúdos” entre os evangélicos, porém isso não faz diferença alguma, assim como nunca fez nenhuma diferença em qualquer outro tempo, visto que tais “conteúdos” são apenas o “álibi eterno” por eles usados para criticar sem se aventurarem a dizer: “Venham! Vamos juntos! Vamos aprender juntos! Vamos ser irmãos uns dos outros! Vamos confessar nossos pecados, invejas, doenças e maldades piedosas, e, juntos, vamos iniciar a jornada do Caminho da Vida, andando sem ter nada do que se gloriar senão na Cruz de Cristo!”

Não! Eles jamais farão isto. Eles apenas assistirão. Opinarão. Farão analises. Masturbar-se-ão com suas próprias repetidas e copiadas idéias. E nada acontecerá. Posto que não têm coragem de nem mesmo se encarar, quanto mais a coragem de botar a cara para fora, para apanhar pela fé, e para viver a realidade do Conhecimento de Deus não como “psicologia de retiro espiritual”, mas como vida na esquina, nas ruelas, no meio das mais agudas angustias humanas, nas perdas e nos ganhos, nos lutos, nas alegrias, nos céus e no abismo.

Somente quando se fica sabendo na experiência da Graça de Deus que “as trevas e a luz são a mesma coisa” é que se conhece de fato a Deus como mistério. Ora, o fruto de tal conhecimento é paz!

Eles ainda não entenderam que parte da maldição é ainda essa “herança grega” do engano de pensarmos que “conteúdos” são coisas a serem aprendidas com a cabeça, ou com a periferia do coração.

“Pensar os conteúdos” é outra frase feita que eles adoram!

Ora, o conteúdo da Palavra não é a mesma coisa que eles chamam de “conteúdo”.

A real crise evangélica—e aí se pode botar nesse saco tudo e todos que não são católicos—é a crise do total não conhecimento experiencial da Graça de Deus.

Sim, fala-se em Graça. Mas apenas “fala-se”. E, quando se fala, fala-se de algo que a maioria nem sabe o que é, a não ser pela definição filológico-teológica da palavra.

A Graça de Deus não é uma doutrina e nem é um discurso acerca de um “Deus melhorzinho”.

A Graça é melhor que a vida. E a Graça só pode ser conhecida como experiência da vida como transcendência e imanência real em Deus pela fé, num salto de entrega total que a maioria não tem coragem de dar.

Ou seja: o sujeito que crê, experimenta…!

Conforme a linguagem chocante de Marcos 16… “certos sinais seguem…” Em outras palavras: não é blá, blá, blá… É vida de fé e coragem, é risco, é entrega, é confiança, e é alegria, contentamento e paz no Espírito Santo.

Na Graça de Deus não se fica sabendo acerca de Deus, mas se conhece a Deus.

Ora, é essa falta de experiência do conhecimento real de Deus em fé, na Graça, e conforme o espírito do Evangelho, aquilo que asfixiou a igreja evangélica, e matou a sua alma. De tal modo que ela existirá como zumbi… e só não morrerá porque já morreu.

A fé em Jesus, todavia, segue firme e inabalável, posto que quando os odres velhos se derramam… e para nada mais aproveitam… nem por isso a fonte do vinho novo cessa de brotar, posto que a Videira Verdadeira não deixa jamais de produzir fruto mediante os ramos que permanecem nela, vivendo em total entrega e confiança, sabendo que sem que se esteja ligado a Jesus, nada se pode fazer. Muitos menos “produzir conteúdos”.

A igreja evangélica já foi um problema para mim. Hoje, sinceramente, não é mais.

Creio que muitos evangélicos ainda se converterão ao Evangelho da Graça de Deus, e creio que muitos ainda experimentarão a vida abundante e confiante que há em Jesus.

Mas sei que isto só acontecerá quando eles desistirem de tudo, e quando abandonarem a pretensão de definir “conteúdos”, ou de darem uma açucarada em Deus para fins de melhor palatabilidade.

Todavia, só saberão do que eu estou aqui falando no dia em que experimentarem o benefício da paz e da pacificação total do coração mediante a confiança que é fruto do conhecimento real de Deus, e não de sua projeção teológica.

Quem entender, entenda!

(Caio Fábio)

Pastores estressados

70% DOS PASTORES ESTÃO ESTRESSADOS

Mesmo sendo a profissão mais satisfatória, este chamado ainda é muito estressante, é o que aponta uma pesquisa. Com carga horária exaustiva e muitas responsabilidades – para quem vive a realidade dos grandes templos, a tensão de criar um ministério sólido, sem escândalos e fiel às sagradas escrituras. Para quem vive o pequeno ministério, o desafio de ser líder espiritual, gestor, motivar pessoas e ainda ter tempo para cuidar da família.

O resultado são líderes cada vez mais estressados. O Instituto Francis Schaeffer de Desenvolvimento de Liderança Eclesiástica (FASICLD – Francis A. Schaeffer Institute of Church Leadership Development) juntamente com o Instituto Fuller, inciaram em 1989 uma pesquisa com pastores americanos e o resultado foi preocupante. Veja mais abaixo:

Mil e quinhentos pastores abandonam o ministério todo mês por conta de desvios morais; esgotamento espiritual ou contendas na igreja.

80% dos pastores sentem-se desqualificados para o exercício do ministério.

50% deles afirmaram que se pudessem deixariam o ministério.

70% dos pastores americanos lutam com a depressão.

Quase 40% deles afirmaram ter tido algum tipo de relacionamento extraconjugal desde que iniciaram seu ministério.

E 70% afirmaram que só lêem a Bíblia quando preparam seus sermões.

Como pastores lidam com o estresse e como isto afeta o coração.

Comentário:

O que há de errado com as igrejas de hoje em dia? Se passamos mais tempo na igreja, não deveríamos esperar crescer espiritualmente e nos sentirmos realizados?
Não nos é dito que, se bebermos da água viva oferecida por Jesus, nunca mais teremos sede? Se isso é verdade, então o que acontece com os cristãos de hoje? O que está faltando?

O fundamental “Que mensagem estamos compartilhando com nossa comunidade e entre nossas paredes com nossos chamados ‘programas’? Acredito que nossa substância, não nossa estrutura, está deixando tantos cristãos estagnados e insatisfeitos. Uma igreja pode ter programas refinados, uma equipe bem treinada e oradores dinâmicos… mas conteúdo é o que as pessoas levam consigo quando voltam para casa.

O que se percebe é que muitos cristãos (incluo aqui pastores) vivem insatisfeitos com a igreja ou com seu relacionamento com Deus. A fé deles não funciona mais, já que não conseguem cumprir sua parte da “barganha” com Deus. Por algum motivo aquilo que começou esfuziante agora começa a desbotar. Podem até se perguntar: Quanto é o bastante? Quando acabará? Por que Deus ainda não está satisfeito? Quando poderei relaxar e desfrutar? Deve haver um outro caminho.

Se houve um outro caminho? Há um Antigo caminho que conduz sempre ao desapontamento, por mais esforço “santo” que seja exercido. Há também um Novo caminho, livre de custos e capaz de mudar tudo. O novo é o que Deus planeja para você. Não acredita? Então sugiro que você leia (se tiver coragem rsrsrs) “O Evangelho Nu” de Andrew Farley.

Grande abraço a você.

Na seara, até a volta de Cristo,
Pr. Luiz Carlos

O Caminho é uma Pessoa, Seu Nome é Jesus!! Conheça-O, leia a Bíblia e siga-O!!

Esperança contra a depressão

“Tratar com a mente é a maior obra já confiada aos homens” (Ellen White, Mente, Caráter e Personalidade, v. 1, p. 4).

Decepções, frustrações e momentos ruins são experimentados por todas as pessoas. Esses fatores, associados à genética (hereditariedade), qualidade de vida e condições do ambiente ou relacionamentos, podem deixar qualquer um vulnerável à tão falada doença do século, a depressão. A grande diferença entre esses estados emocionais citados e o diagnóstico decisivo é a permanência e intensidade dos sintomas depressivos no quadro clínico de uma pessoa.

Um mito sempre discutido e que ainda prevalece em círculos cristãos é que fiéis religiosos não podem ter depressão. Mas o fato é que a depressão afeta milhões de pessoas cristãs e não cristãs da mesma forma, pois não se trata de um problema espiritual e sim de ordem psiquiátrica e emocional. Infelizmente, muitos cristãos ainda relutam em buscar o tratamento adequado para esse problema, contribuindo assim para que a doença se agrave mais e afete os relacionamentos e a condição física, dificultando a reversão do quadro.

O que muitos não sabem é que a depressão é uma desordem química do sistema nervoso central. Os chamados neurotransmissores, responsáveis por transmitir de um neurônio ao outro nossos estímulos emocionais, ficam alterados e não conseguem cumprir sua função correta: passar a emoção certa para cada momento vivenciado. Essa desordem neuroquímica associada a problemas familiares, no trabalho e outras dificuldades faz com que a depressão se instale e comece a causar danos.

De acordo com o manual CID-10 (Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde), existem vários critérios para avaliar se alguém está passando por um quadro depressivo. Alguns dos mais frequentes são: sentimentos de tristeza e aborrecimento persistentes, falta de energia e vontade de viver, perda da concentração, crises de choro sem motivo aparente, perda de apetite, desinteresse para com as atividades diárias, até mesmo higiene, distúrbios do sono (insônia ou sonolência constante), desesperança, sentimento de culpa, remorso e uma vasta lista de características que ocorrem em vários graus e intensidades de acordo com o estilo de cada um.

As pessoas em geral conseguem resolver problemas, mesmo em momentos críticos como a morte de alguém querido, perda do emprego ou um trauma, sem permanecer num estado de crise durante vários meses, e esse é o grande diferencial na hora do diagnóstico. Quem demonstra não estar conseguindo sair do desanimo, tristeza, desinteresse pela vida por um período prolongado (meses), pode sim estar em um quadro depressivo. Um fator importante é que dificilmente essa pessoa tomará a iniciativa de buscar ajuda, a não ser que esteja no início e ainda tenha algum controle sobre seu estado; por isso a importância de pessoas esclarecidas para encaminharem o paciente ao médico e psicólogo.

Deus pode curar alguém da depressão? Claro que sim, mas Ele também nos deu os tratamentos especializados para isso. Temos a medicina e a psicologia para nos auxiliar. Deus nos deixou orientação para que possamos nós mesmos buscar ajuda e cura. É claro que nada sem Deus atingirá o sucesso, e nossa comunhão fará toda a diferença durante o tratamento, pois trará esperança e vigor quando se pensar em desistir de viver.

Atendo uma jovem de 30 anos que ainda está em recuperação de uma crise. Foi afastada do trabalho, pensou várias vezes em suicídio e quase acabou com seu casamento. Com o uso dos medicamentos, da terapia e o contato com Deus, ela está muito melhor hoje. Ela é cristã e não acreditava que seu problema pudesse ser curado com remédios e psicoterapia. Apesar de ser profissional da saúde, achava que só através da oração deveria obter a cura. Depois de seis meses de tratamento, sua visão em relação à vida mudou muito e agora ela percebe que a intervenção de Deus pode ser feita através da ciência e sabe que profissionais são usados para fazer esse trabalho.

Note que quando alguém está fora do controle de suas faculdades mentais, a sequência deve ser em primeiro lugar medicamento, seguida pela terapia e fé conjuntamente. O medicamento terá a função de regular a atividade cerebral e facilitar a racionalidade e entendimento do seu estado geral para que a terapia haja também com eficácia. A fé tem papel fundamental no tratamento de qualquer doença. Acreditar que Deus está trabalhando através das descobertas da ciência e dos recursos para diminuir nossas dores físicas e emocionais é o primeiro passo para receber Sua cura.

(Juliana de Souza Assis é psicóloga clínica e coordenadora do SEPSI – ECOE, localizado na Zona Sul de São Paulo, SP)

Continuar lendo

Esse negócio de que “Deus é amor, mas também é justo” me cansa!

Esse negócio de que “Deus é amor, mas também é justo” me cansa!

Porque, não havendo qualquer antagonismo entre ser BOM e JUSTO, o que ocorre é que essa é mais uma daquelas frases prontas na boca de quem pretendia dizer: “Cuidado, Ele te ama mas quer te ferrar! hahaha!”, ou então algo como cochicho em enterro de “ímpio”: “Pois é, Deus o amou, mas como DEUS também é JUSTO… teve que mandá-lo pro INFERNO, tadinho!!!”

Amigos todos, se Deus fosse tão JUSTO como é AMOR em si próprio, VOCÊ iria para o INFERNO sem escala, sem purgatório, sem choro nem vela. Mas sabe por que você não vai?

Porque, por fim, “a misericórdia triunfa sobre o Juízo” – está escrito!

Sabe por que você não vai?

Porque o AMOR Ele dirigiu a você, e a JUSTIÇA foi satisfeita em Cristo!

Sim, “o castigo que nos traz a PAZ estava sobre ELE e pelas suas pisaduras fomos SARADOS”…

Francamente, Deus não é justo (conforme nosso senso de justiça), porque se há GRAÇA não há JUSTIÇA: “Ele que não tinha pecado se fez pecado por nós… O Justo pelos injustos…” É “justo” isso?

Justo seria você re-encarna pra pagar o que deve em mil vidas, oras…!

DEUS É AMOR! E se estivesse de brincadeira quanto a isso, não teria Se machucado tanto!

E eu, além de AMADO, me sei JUSTI-FICADO, e isso já está CONSUMADO! (Não há revisão processual). Então, bora tocar a vida pra frente que ela não acaba nunca, e eu posso gastar esse pedaço que tenho aqui pra AMAR seu AMOR na direção do meu próximo e anunciar TÃO GRANDE SALVAÇÃO!

Essa é minha vida, esse é o meu clube… rs

Vem comigo?

( Autor: Marcelo Quintela / Dezembro de 2011 – www.caminhoconsciencia.com )

Continuar lendo

Segue teu próprio caminho

Então, Pedro, voltando-se, viu que também o ia seguindo o discípulo a quem Jesus amava, o qual na ceia se reclinara sobre o peito de Jesus e perguntara: Senhor, quem é o traidor?

Vendo-o, pois, Pedro perguntou a Jesus: E quanto a este?

Respondeu-lhe Jesus: Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa? Quanto a ti, segue-me. (João 21:20-22)

Pouca gente tem coragem de perguntar “quanto a mim”. A maioria apenas quer saber dos outros.

A questão pode parecer piedosa. “Quem é o traidor?” Ou pode soar suavemente ressentida. “E quanto a este?” — mas o que se quer, pela pergunta que não é “quanto a mim”, é usar o amor recebido a fim de granjear privilégios de informações que são apenas fruto da intimidade com um outro-mais-poderoso do que nós; ou então tem a ver com comparar o destino dos outros com o nosso.

No primeiro caso encontra-se com a mais sutil vaidade. No segundo com uma sutil forma de ressentimento que busca comparações.

Ora, João sabia por si mesmo que não era o traidor. E Pedro sabia que era amado, e que poderia cuidar das ovelhas de Jesus, apesar de o haver traído. Mas quem resiste querer saber sobre o destino alheio? Sim, especialmente quando se tem a liberdade de deitar sobre o peito de Jesus, à semelhança de João; ou mesmo quando se o ouviu dizer que nós, apesar de perdoados, ainda encontraremos a nós mesmos em fraqueza, sendo guiados para onde não se quer, sem controle sobre as circunstâncias? — como era o caso de Pedro em particular.

Assim é o coração humano em estado natural, por melhor que seja. Quer saber acima dos demais, esteja alegre ou triste.

Não basta que no coração se saiba quem se é; pois sempre se quer saber sobre o outro!

Sim, parece que o destino dos outros é o que referenda quem somos, e não quem de fato se é.

A cura que Jesus propõe é simples. Ele nos faz nos interessarmos por nosso próprio caminho; pois, somente assim teremos coração para cuidar de nós mesmos e dos outros — e não do destino alheio — sem o espírito que se envaidece quando o nosso caminho parece mais fofo; e nem com o coração que só se sente amado se o destino dos outros for pior que o nosso, do nosso ponto de vista.

Portanto, que ecoe para sempre em cada de nós a afirmação de Jesus: “Quanto a ti, segue-me”.

Aqui reside a saúde de nosso caminhar, seja o que for o que nos aguarde. Seja como a longevidade de João, com o mito de que ele não morreria; ou como o caminho de Pedro, com a certeza da fraqueza e da morte.

Sim, que te importa? Ou o que me importa?

O que importa é apenas o “quanto a ti” dito por Jesus a nosso respeito; e, consequentemente, nossa disposição de perseverar em nosso próprio caminho Nele — que é o Caminho de todos nós.

(Caio Fabio)

O (des)EQUILÍBRIO QUE ESSA NOSSA IGREJA (não) TEM!

A organização chamada igreja tem passado por uma metamorfose, um fenômeno chamado “mundanização”. Acredito que, se muitos dos homens que ajudaram a disseminar o Evangelho no mundo, pudessem ver como está a igreja em seus respectivos países, chorariam lágrimas de sangue por verem o que está sendo feito da Igreja de Cristo.
É fácil criticar a ignorância dos pastores antigos, apontar erros teológicos, doutrinários. Difícil porém, é estar disponível para Deus e para a sua obra da mesma forma que tais fizeram.

O cristão moderno não consegue achar o equilíbrio entre o santo e o profano ou se beatifica e se torna insuportável a qualquer pessoa, ou se torna um cristão “amante do mundo”.
Existe aquela coisa de teoria e prática. Se observarmos a vida de Cristo, perceberemos que Ele era correto em palavras e atitudes. Ele apresentava uma palavra sem contradições e ao mesmo tempo tinha a unção do Espírito de Deus.

Até hoje não entendi por que existem as tais “correntes doutrinárias” se a Palavra de Deus é só uma e nenhuma parte dela de de particular interpretação, será esta isto um pouco de orgulho?
Será que os alguns líderes estão defendendo mais uma denominação com seus costumes enquanto outros defendem o que cair melhor ao seu bolso?
Quem afinal de contas defende a Palavra de Deus?

Antigamente nas Assembléias de Deus haviam pastores que tinham lá suas interpretações erradas, mas uma coisa me chama atenção: eles não tinham medo de pessoas possessas, os líderes não precisavam contratar seguranças para o proteger e os pastores não tinham tempo pra ficar pra cima e pra baixo indo de um país a outro porque tinham muito o que fazer em suas igrejas; aí você pode me perguntar: O que eles tanto faziam no mesmo lugar? Estavam cuidando das pessoas as quais Deus lhe havia confiado.

Tem sido impossível a muitos líderes, conservar o ensinamento da Palavra de Deus, o Evangelho puro, sem as interpretações particulares e fardos pesados e manter-se fiéis, consagrados e confiantes em Deus. 
Eles não tem conseguido corrigir os erros do passados mantendo ao mesmo tempo as virtudes que aqueles homens de fé tinham e com pretexto de serem hoje mais abertos, abrem mão de qualquer valor por dinheiro. Só quero saber o que eles vão fazer com tanto dinheiro depois que Jesus voltar.

Sem contar naquele pretexto pra pecado: “Deus quer o coração…”. Ora, existem pessoas que entregam tudo à religião e nada a Deus, pois tem roupa de crente, fala como crente, vai pra igreja de crente, mas não tem um coração de convertido; faz tudo que a religião impõe e se preocupa quase nada com o que a Palavra de Deus diz. Por outro lado, há pessoas que querem entregar o coração a Deus, mas “só o coração viu!”… Aí caem no outro extremo, ao invés de usar saias “lá embaixo”, usam calças tão justas que quaquer cidadão na rua tem quase a visão que deveria ser contemplada só pelo esposo, ou, ao invés de usar a gola “lá em cima” se vestem com decotes “lá em baixo”, que só faltam mostrar o umbigo! Onde está a vergonha e decência, muitas vezes até nas reuniões?

Às vezes fico a me perguntar, quem cometeu maior pecado, se os pastores exagerados do passado ou os profanos de hoje. É preciso estar entre um e outro.

(Autor: Luis Paulo Silva)

Sei que existe um lugar

‎”Não importa o quanto as portas do inferno tem arquitetado contra você. Se você aprender como entrar no espírito, como entrar no espírito… Paulo disse em 2 Coríntios capítulo 3: ‘O SENHOR É O ESPÍRITO’. Paulo não estava apenas reconhecendo a Divindade do Espírito Santo, porque no capítulo 1 ele disse de uma natureza d tribulação que eles passaram na Ásia e Paulo diz no capítulo 1 de 2ª Coríntios que a tribulação foi tão grande que eles chegaram a desesperar da própria vida; mas no capítulo 3 ele diz ‘O SENHOR É O ESPÍRITO’! Levanta bem alto as tuas mãos porque se você entrar no Espírito, você vai conhecer o que Paulo conheceu! Logo em seguida ele diz ‘e onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade!’ LIBERDADE! LIBERDADE! LIBERDADE!

Quando Paulo fala dessa liberdade irmãos, Paulo não tava falando de pular na igreja, Paulo não tava falando de bateria na igreja, ainda que isso tá dentro, mas não é disso que Paulo tava falando. Uma das coisas é o que ele relata no capítulo 11 quando ele diz ‘tres vezes eu passei por um naufrágio, em açoites, sem medida, fustigado com vara…’; Paulo começa dar o seu currículo, Paulo começa a mostrar o que ele passou, ele diz ‘uma vez eu fui apedrejado, mas porque o Senhor É O Espírito é que Paulo aprendeu a como entrar no Espírito, nada prendia Paulo, nada dominava Paulo! O inferno armava uma armadilha, mas Paulo saía, e Paulo saía, Paulo saía… porque onde está o Espírito do Senhor aí há LIBERDADE!

Não importa o que o diabo lançou contra você, o Senhor quer te ensinar como entrar no Espírito e você vai poder dizer bem forte pro Senhor, rindo: ♪ Sei que existe um lugar onde eu posso descansar em Ti Jesus! Sei que existe um lugar onde as circunstâncias não podem me alcançar: JESUS! ♪”

(pr. Eber Rodrigues; ‘Descanso’, louvor do CD ‘Profético 1’ do Ministério Ouvir e Crer)

Depois…

oc-02

Depois de um looongo e tenebroso inverno, cá estou de volta ao meu aconchego! Depois de muitas, MUITAS decepções com instituições, pessoas, situações… Depois de um casamento desfeito, da morte da minha mãe, de revoltas, depois de desacreditar do amor de Deus por mim e pelos meus, depois de duvidar do sacrifício de Cristo na cruz, depois de procurar em variados locais alguma resposta plausível pra tudo o que vivi, pra tudo o que sinto, e depois, finalmente, de antes de ontem, de uma conversa simples ao telefone com meu pai na fé, que assim como o Ser Supremo, nunca deixou de acreditar em mim e de me amar, e da intercessão de minha irmã lá do Japão que me levou à fé cristã, resolvi me dar de novo a chance de ser feliz, de viver em PAZ comigo e com o Universo! Mesmo que eu ainda tenha inúmeras dúvidas, mesmo que eu ainda me sinta hipócrita ao tentar louvar e adorar e até mesmo a orar, eu vou continuar tentando me reencontrar como pessoa, como partícula do Cosmos ou como alguns dizem: como filha de Deus!

oc-01

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 36.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 13 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo