NÃO QUERO MAIS SER EVANGÉLICO

Ser evangélico, pelo menos no Brasil, não significa mais ser praticante e pregador do Evangelho (Boas Novas) de Jesus Cristo, mas, a condição de membro de um segmento do Cristianismo, com cada vez menor relacionamento histórico com a Reforma Protestante – o segmento mais complicado, controverso, dividido e contraditório do Cristianismo. O significado de ser pastor evangélico, então, é melhor nem falar, para não incorrer no risco de ser grosseiro.

Não quero mais ser evangélico! Quero voltar para Jesus Cristo, para a boa notícia que Ele é e ensinou. Voltemos a ser adoradores do Pai porque, segundo Jesus, são estes os que o Pai procura e, não, por mão de obra especializada ou por “profissionais da fé”. Voltemos à consciência de que o Caminho, a Verdade e a Vida é uma Pessoa e não um corpo de doutrinas e/ou tradições, nascidas da tentativa de dissecarmos Deus; de que, estar no caminho, conhecer a verdade e desfrutar a vida é relacionar-se intensamente com essa Pessoa: Jesus de Nazaré, o Cristo, o Filho do Deus vivo. Quero os dogmas que nascem desse encontro: uma leitura bíblica que nos faça ver Jesus Cristo e não uma leitura bibliólatra. Não quero a espiritualidade que se sustenta em prodígios, no mínimo discutíveis, e sim, a que se manifesta no caráter.

Chega dessa “diabose”! Voltemos à graça, à centralidade da cruz, onde tudo foi consumado. Voltemos à consciência de que fomos achados por Ele, que começou em cada filho Seu algo que vai completar: voltemos às orações e jejuns, não como fruto de obrigação ou moeda de troca, mas, como namoro apaixonado com o Ser amado da alma resgatada.

Voltemos ao amor, à convicção de que ser cristão é amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos: voltemos aos irmãos, não como membros de um sindicato, de um clube, ou de uma sociedade anônima, mas, como membros do corpo de Cristo. Quero relacionar-me com eles como as crianças relacionam-se com os que as alimentam – em profundo amor e senso de dependência: quero voltar a ser guardião de meu irmão e não seu juiz. Voltemos ao amor que agasalha no frio, assiste na dor, dessedenta na sede, alimenta na fome, que reparte, que não usa o pronome “meu”, mas, o pronome “nosso”.

Para que os títulos: “pastor”, “reverendo”, “bispo”, “apóstolo”, o que eles significam, se todos são sacerdotes? Quero voltar a ser leigo! Para que o clericalismo? Voltemos, ao sermos servos uns dos outros aos dons do corpo que correm soltos e dão o tom litúrgico da reunião dos santos; ao, “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu lá estarei” de Mateus 18.20. Que o culto seja do povo e não dos dirigentes – chega de show! Voltemos aos presbíteros e diáconos, não como títulos, mas, como função: os que, sob unção da igreja local, cuidam da ministração da Palavra, da vida de oração da comunidade e para que ninguém tenha necessidade, seja material, espiritual ou social. Chega de ministérios megalômanos onde o povo de Deus é mão de obra ou massa de manobra!
Para que os templos, o institucionalismo, o denominacionalismo? Voltemos às catacumbas, à igreja local. Por que o pulpitocentrismo? Voltemos ao “instruí-vos uns aos outros” (Cl 3. 16).

Por que a pressão pelo crescimento? Jesus Cristo não nos ordenou a sermos uma Igreja que cresce, mas, uma Igreja que aparece: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. “(Mt 5.16). Vamos anunciar com nossa vida, serviço e palavras “todo o Evangelho ao homem… a todos os homens”. Deixemos o crescimento para o Espírito Santo que “acrescenta dia a dia os que haverão de ser salvos”, sem adulterar a mensagem.

“Tornai vós para mim, e eu tornarei para vós diz o Senhor dos exércitos”. Seja um patrocinador desta obra, seja um colaborador de Cristo!

Que Deus te abençoe!

Escrito por Ariovaldo Ramos

Assista o vídeo de ED RENÉ KIVITZ

Deus não é religião

[ Comentários para este post no cabeçalho acima ↑ clique onde diz Comments ]

Há uma grande diferença entre praticar uma religião e experimentar um relacionamento com Deus.
Há uma grande diferença entre religião e salvação.
Há muitas religiões, mas só um Deus e um só Evangelho.
Religião vem do homem; Evangelho e salvação são revelações de Deus por meio de Jesus Cristo.
Religião é o ópio do povo; salvação é presente de Deus ao homem perdido.
Religião é história do homem pecador, que precisa fazer alguma coisa para seu deus imaginado. O Evangelho nos diz o que o Deus Santo fez pelo homem pecador.
Religião procura um deus; o Evangelho são as Boas Novas de que Jesus Cristo procura o homem que se encontra em caminho errado. “Porque o Filho do homem veio salvar o que estava perdido” (Mateus 18.11).
A religião dá ênfase em fazer alguma coisa, boas obras; o Evangelho muda o homem por dentro, através da presença do Espírito Santo em seu coração. “… E assim habite Cristo nos vossos corações, pela fé” (Efésios 3.17). “Não sabeis que sois santuário de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1 Coríntios 3.16).
Nenhuma religião tem um Salvador ressuscitado, que dá perdão dos pecados e vida eterna, só Jesus Cristo ressuscitou. Por isso, meu amigo, dirija-se só a Jesus Cristo. Ele é o único que pode perdoar os seus pecados e lhe dar vida nova aqui e vida eterna no porvir. “Crê no Senhor Jesus, e serás salvo” (Atos 16.31). “… E o sangue de Jesus, Seu Filho, nos purifica de todo pecado” (1 João 1.7).
Receba a Jesus AGORA em seu coração como seu Salvador pessoal.

(Extraído de: Evangelização Pessoal)

Meus comentários:

Esse negócio de postar só uma vez por mês não deu certo, gente, eheh. Tentei, mas não dá. Com o tanto de pensamentos, reflexões e experiências que passo o tempo todo, não tem como ficar num post só.
E foi depois de um turbilhão de análises que achei legal postar esse texto. Sei que já postei outros semelhantes, mas particularmente esse é o que me tem feito pensar mais a respeito do que é verdadeiramente ser de Jesus. Li um email do site Ibiblia.net de autoria de Claudio Crispim que me serviu de base pra expor meus pensamentos abaixo:

Engraçado como a gente – e não me refiro aqui somente às pessoas de fora das Igrejas, por assim dizer, mas também aos que já aceitaram a Jesus e estão dia-a-dia dentro de templos, são assíduos frequentadores dos cultos, congressos, até mesmo estudiosos da Bíblia e pastores, por que não?!, confunde as coisas. Tem dois personagens na Bíblia que são fundamentais pro nosso entendimento dos planos de Deus pra nós: Adão e Jesus. Somos descendentes de Adão e como ele pecou (acho que todos conhecem a história do fruto proibido, então, não preciso resumir aqui né?!), consequentemente, todos os que vieram depois dele, também são automaticamente pecadores (caramba! eu tinha tanta aversão a isso quando era da Seicho-No-Ie… mas graças a Deus o Espírito Santo me tirou as vendas dos olhos espirituais e hoje posso compreender as coisas como elas realmente são; mas isso não vem ao caso, é só um parênteses, ihih). Então, todo o povo que Deus criou vivia no mundo, sujeito as coisas do mundo – que lembre-se: jaz no maligno desde àquela época -. Tá. Daí Deus, que nos ama de um modo que por mais que tentemos não conseguiremos compreender, simplesmente porque somos seres relativos e Ele o único Ser absoluto, resolveu mandar Seu Filho Jesus, que também é Deus – mas isso também é assunto pra outro post – pra nos libertar de todo pecado e termos a oportunidade de voltarmos a ter comunhão com Ele, pela morte vicária de Jesus. Beleza, entendido tudo isso.

Só que, o que a maioria das pessoas pensa, que é o que comentei no início, que a gente confunde, é que pensamos que pra nos tornarmos seguidores de Jesus, do Evangelho (daí surgiu o termo “ser evangélico”), temos de abrir mão de toda nossa vida de antes e passarmos a viver só pra Cristo. Na verdade é isso mesmo, mas o erro (do meu modo de ver as coisas e conforme o que creio, Deus tem me orientado a entender), é que a famosa porta larga que a Bíblia fala e tanta gente evita, eheh, é quando as pessoas estão no mundo e entregues aos prazeres, a sensualidade, são céticas, fazem coisas erradas, por exemplo. As pessoas em geral acham que a porta é larga porque estando no mundo a pessoa não tem dificuldades, problemas e que pra entrar por ela não precisam obedecer a qualquer tipo de condição. E acham, por sua vez, que o caminho estreito tem a ver com proibições, restrições morais, comportamentais e até religiosas. Pensam que para poderem entrar pela porta estreita tem de seguir um monte de preceitos religiosos, cumprir regras ou seguir determinadas filosofias/estilos de vida.

Diante disso aparece uma variedade imensa de religiões, igrejas e denominações. Todo mundo fala que termos de sofrer pra nos purificar/evoluir, fazer penitências pra ficarmos com a barra limpa com Deus, ou então orarmos pra isso, praquilo, recitarmos rezas imensas e cansativas… Somos induzidos a termos um nível X de moralidade, de santidade, de justiça, fazer o bem sem olhar a quem (eu usava muito essa frase em meus emails quando era espírita, kkkkk)… É tanta norma de conduta, maneira de se vestir e se comportar que a gente quase pira. E não pára por aí: em tudo quanto é lugar que freqüentamos, vemos as “qualidades” do ego humano serem exaltadas: Sejamos corajosos, determinados! Devemos nos empenhar mais, sermos disciplinados, resignados, e por aí vai…

Rituais são criados a bel prazer, o formalismo e o legalismo são utilizados como demonstração de uma verdadeira devoção religiosa. Criam-se meios que julgam conforme somos julgados. E forçamos os outros a seguirem o que achamos imprescindível à salvação, orientando as pessoas a se vestirem assim ou assado, a fazerem desse jeito pra orar, a louvar a Deus batendo fortes palmas ou se esguelando pra entoar um cântico gospel das paradas de sucesso, levantando as mãos quando o pastor manda, ajoelhando idem, porque se você não fizer assim, é porque você não tá na unção…

Placa de Igreja não salva ninguém, disso todos sabemos; mas achamos que só a nossa Igreja é que tem a Palavra de Deus nua e crua, sem interferências do homem. E o pior de tudo: achamos que Deus é propriedade dos evangélicos!

Estamos muito apegados à forma! E isso é triste!!! Estamos tão ligados a essas coisinhas pobres que não conseguimos nos livrar da condição real de pecadores que somos (Gl 4.9-10).

Precisei falar isso tudo pra tentar pôr em palavras o que venho sentindo nos últimos tempos:
Cansei de usar máscara de crente!
Cansei de ter um rótulo estampado na minha testa escrito: evangélica!
Cansei de querer me moldar ao que os outros acham que devo ser, ou pensar e agir de acordo com o que a igreja ou as pessoa pensam ser a melhor maneira!
Cansei de fazer as coisas que os outros esperam que eu faça!
Sei que fui eu mesma que permiti chegar a esse ponto, mas Deus me abiu os olhos e me livrou desse religiosismo ridículo que só difama Sua Palavra!

A partir de agora, me recuso a não ser mais eu, conforme os planos de Deus. Me nego a fazer qualquer coisa só pra tapar o buraco que alguém deixou, ou pra substituir alguém que decepcionou fulano, ou então porque tal pessoa acha que eu me daria bem fazendo aquilo…

Não dá mais pra ser crente só de brincadeira, de nome, de fachada… Ou eu vivo o sobrenatural de Deus na minha vida, vejo Seus milagres como nos tempos bíblicos (afinal, Jesus é o mesmo de ontem e será sempre o mesmo) e a verdadeira transformação em minha vida – que é decorrente da obra da cruz, que ressalto aqui: já ta completa! Deus não fez nada pela metade, portanto, se aceitei o sacrifício de Jesus na cruz, já recebi tudo que vem de lá: cura, libertação e muito, muito mais…, ou eu deixo de ir à igreja, porque ir só pra pra cumprir tabela não vou mesmo!

Uma coisa que nunca aceitei na minha vida é a hipocrisia, sempre tive horror a isso. E eu tava me tornando uma hipócrita! Tava ficando uma chata sem tamanho que achava que era melhor que os que ainda não estão salvos, como se eu nunca tivesse estado do lado de lá.

Mas Deus é TÃO bom que me fez passar por umas semanas conflituosas comigo mesma, com minhas crenças, com meus relacionamentos e sentimentos, pra eu poder entender tudo isso!

Portanto, se você pretende aceitar a Jesus como seu Salvador pessoal, como fiz há quase 2 anos, fique sabendo que isso não fará com que você se afaste dos seus amigos e parentes. Você precisa ser a diferença onde estiver, seja no mundo ou no corpo de Cristo (a Igreja). Só não pode sair do foco como eu tava saindo, por favor… Seguir a Cristo requer renúncia sim, mas quem convence não sou eu, nem ninguém, seja pastor, missionário, … Só quem pode te convencer e começar a transformar tua vida de verdade, a tal ponto de você sentir prazer em renunciar às coisas mundanas, é o Espírito Santo.

Você pode dar o primeiro passo – agora mesmo – e ter um verdadeiro relacionamento com Deus, independente de se intitular evangélico ou crente.

No frigir nos ovos, quer saber? Confesso que errei! Mas Deus é misericordioso e me perdoou! E valeu completamente a pena voltar a ouvir Sua voz, e isso é muito além de estar numa igreja ou pertencer à determinada religião. Porque Deus não é nada disso e Jesus é absolutamente maior que qualquer picuinha criada pelos homens. Mas só vou fazer o que sinto no coração de fazer, vou louvá-Lo em espírito e em verdade, em todos os lugares onde estiver, que é isso que Ele espera de mim.

Seja feliz, caro leitor! E não permita que te façam seguir algum nome que não seja o do Senhor Jesus.

[ Comentários para este post no cabeçalho do início desta página clique onde diz Comments; Este outro campo igual abaixo é para comentários do post de março ]

Crente Diferente

“Quero ser um crente diferente. Não quero ser conhecido apenas como alguém que “não bebe, não fuma e não joga”. Isso é muito pouco. A “geração saúde”, que freqüenta as academias e come comida natural, não bebe e não fuma e nem por isso pode ser chamada de cristã. Também não me contento em ser chamado de crente por ter um modo diferente de me vestir. Durante muito tempo, no Brasil, a diferença que os crentes queriam mostrar era que eles se vestiam de uma maneira “esquisita” e isso acabou tornando-se motivo de chacota e que em nada engrandecia o Reino. Com certeza, usar uma roupa fora de moda, não faz de ninguém um cristão.

Também não me satisfaço com o modelo “gospel” de crente que há hoje em dia. Broche de Jesus, caneta de Jesus, meias de Jesus. Sabe-se lá onde isso vai chegar. “Tem muita gente ganhando rios de dinheiro com esses cosméticos” para o crente moderno. A grife “JESUS” tem vendido muito. Mas não adianta. Usar toda a parafernália do marketing “gospel” não faz de ninguém um cristão.

Pensei comigo: a moçada evangélica hoje está toda na Internet. E saí à busca de salas de bate-papo de evangélicos. Confesso que tentei inúmeras vezes, mas não consegui. Me adentrava por assuntos importantes e profundos da vida cristã e as respostas eram chavões o tempo todo. Não se pensa, cria ou reflete, só se repete chavão do tipo “glóooooria”, “Tá amarrado”, “É tremendooo”, etc. Definitivamente, repetir chavões a todo o momento não faz de ninguém um cristão.

Quero ser um crente diferente. Que não seja alienado da vida e de seus acontecimentos. Que saiba discutir e entender as questões existenciais, como a dor, a miséria, a sexualidade, a paixão, o amor. Quero ser um crente que não vive acuado, com medo de tudo, vendo o diabo em toda a parte e querendo amarrá-lo a todo momento: Jesus Cristo o derrotou na cruz, ele é um derrotado e eu não preciso ficar me preocupando com ele 24 horas por dia. Quero ser um crente que saiba falar de tudo e não apenas de religião e que tenha, em todas as áreas, discernimento e sabedoria. Quero ser um crente que não tenha uma atitude conformista diante do mundo, do tipo: Ah, Deus quis assim….”, mas que eu seja um agente de transformação nas mãos de Deus. Que a minha diferença não esteja na roupa, mas na essência: coração bom, olhos bons. Quero ser um crente que cria os filhos com liberdade, apenas corrigindo-lhes, para que cresçam e desabrochem toda a criatividade que Deus lhes deu. Quero ser um crente que vive bem com o seu próximo.

Quero ser reconhecido como um crente pelo que eu “sou” e não por aquilo que “não faço”. Quero ser um crente simpático aos outros, agradável, piedoso, que se entristece com a dor do próximo, mas também se alegra com o seu sucesso (já reparou que as pessoas se solidarizam com nossas derrotas, mas poucos manifestam alegria quando vencemos?).

Não quero ter de falar a todo momento que sou crente, para que outros saibam, mas quero viver de tal modo que outros percebam Cristo em mim.”

(Texto: Quero Ser Um Crente Diferente – Desconheço a autoria)

Crente ou Evangélico?

Não gostaria de criticar, nem mesmo julgar o povo evangélico. Na verdade, gostaria apenas de fazer um resgate das palavras que nós, crentes, usamos durante todos esses anos.Hoje, dificilmente ouço alguém dizer que é crente. Por quê? Parece-me que a palavra “crente” soa como alguém que é muito “bitolado” nas suas relações com a igreja, com a Bíblia e com Deus. Crente é alguém ultrapassado, alguém que não tenha se contemporanizado, alguém que parou em relação ao mundo e não se atualizou. Crente é aquele que não tem muito diálogo, é uma pessoa muito radical. Crente é sinônimo de uma pessoa, como no jargão popular, quadrada. Já observei alguns irmãos que trabalham comigo e muitos irmãos na igreja, ao serem questionados se são crentes, respondem que são evangélicos. Aliás, os meios de comunicação, ao editar matérias sobre igrejas, mencionam como evangélicas.Qual a diferença entre ser crente e ser evangélico? Posso estar errado, mas me parece que ser evangélico é alguém mais agradável, não tão radical, não tão ” bitolado”, enfim, uma pessoa simpática. Mas simpática com o quê? Simpática com as coisas do mundo? Simpática com o pecado? Simpática com outras religiões? Simpática com uma maneira vã de viver?Eu sou crente e tenho prazer em ser crente. Sou crente e tenho prazer em levar minha Bíblia debaixo do braço; eu sou crente e tenho o prazer de dizer que sou separado de muitas coisas do mundo e de chamar tais coisas de pecado; sou crente e tenho o prazer de dizer que amo a Deus e a Jesus; sou crente e tenho o prazer em ir à igreja nos sábados, domingos e durante a semana. Sou crente e tenho o prazer de ver que as pessoas me olham, tanto as não crentes como as evangélicas, de uma forma diferente, ou seja, de alguém que é quadrado, bitolado, desinformado e ultrapassado.Sou crente como meu Senhor Jesus era.

[Autoria de Pr. Rodnei dos Santos – Fonte: http://www.luz.eti.br/cr_crenteouevangelico.html%5D