Religiosidade versus Graça

  • Na religiosidade busca-se controlar as minúcias do ser, dando respostas “concretas”, com métodos para tudo: casamento, noivado, namoro, profissão e tudo mais quanto se possa pensar.
  • Na Graça sabe-se que é na consciência do indivíduo que todas as coisas se processam, não vindo de outrem as respostas. Assim cada um é livre para dar seu próprios passos no Caminho.
  • Na religiosidade sempre há um líder todo-poderoso disposto a ser o ditador das normas acima expostas, uma espécie de “Controladores da União Celestial”. No geral suas palavras sempre são palavras do Deus a quem dizem servir. Desta forma sua fala é sempre a última palavra em qualquer coisa posto que ele sempre será o representante dos outros diante de Deus.
  • Na Graça Ele, Jesus, é o Sumo-Pastor das almas. E o jugo dEle é suave e seu fardo é leve.
  • Na religiosidade há sempre uma tentativa de tomar o mundo já que é responsabilidade da religião prover o planeta com a limpeza que seus dogmas propõem. Assim, quem ainda não teve a felicidade de conhecer suas doutrinas, precisa fazê-lo urgentemente a fim de que possa ser feliz.
  • Na Graça sabe-se e crê-se para a vida em tudo posto que nEle foram feitas todas as coisas e todas as coisas – sem exceção – estão nEle.
  • Na religiosidade seus deuseus (ou Deus) sempre são iracundos. Sempre estão numa eterna TPM, bravos e chateados. Por isso, precisam ser agradados com dádivas de louvor e sacrifícios mortos. Esse deuses são justiça.
  • Na Graça Deus é Amor e toda Sua justiça é Cristo e esta, a justiça, foi totalmente cumprida nEle.
  • Na religiosidade sempre há tempo e espaço delimitados para ação de seu Deus. Há hora e lugar certificados para que Ele aja. Mesmo que se diga crer que Ele é Senhor do tempo e do espaço, ainda assim Ele age mais “fortemente” no ajuntamento de seus fiéis devotos visto que, quanto mais forte se faz a oração (ou reza ou invocação) mais depressa e com mais vigor Ele se representa.
  • Na Graça sabe-se que Ele é Soberano para fazer e desfazer, para dizer Sim ou Não e para simplesmente silenciar quando bem lhe aprouver, inclusive nos templos mais carismáticos que existem por aí. Sua ação estende-se no tempo e espaço não ficando limitada a religiões ou ajuntamentos quaisquer.
  • Na religiosidade há muita vontade de fazê-lo (o seu Deus) ser acreditado, portanto é precisar provar sua existência e sua eficácia. Assim dá-se respostas ao que não tem jeito, criam-se sistemas para o intangível, apresentam-se soluções para caos e, por fim, limites para o infinito. Assim cria-se um deus fruto da razão pronto a ser acreditado.
  • Mas na Graça o que há é a fé de quem não sabe.
  • Na religiosidade há sempre um código de crédito e débito: bênçãos e maldições, paraíso e inferno, bem e mal, mundo e nós, os salvos (ou seja lá o nome que se dê).
  • Na Graça apenas descansa-se no Amor sabendo que o maior ganho é ser dEle e nEle, não havendo uma guerra a ser ganha ou perdida.
  • Na religiosidade há sempre um inimigo poderoso a ser vencido, seja ele abstrato ou concreto. Há sempre uma guerra, uma batalha a ser ganha e um espírito de luta constante. E esses inimigos (ou Inimigo) sempre são fortes e presentes.
  • Na Graça a Vitória é um Bem que não precisa ser alcançado, posto que já É, uma Paz que excede todo entendimento e sabedoria.
  • Na religiosidade há sempre um medo de tudo aquilo que esteja fora de seus portões: poesia, música, shows, livros, festas “pagãs”, danças, profissões, casamentos, namoros, sexualidade e mais, muito mais.
  • Na Graça tudo é e nada é.
  • Na religiosidade há sempre alguns mais iluminados que outros, maiores e menores, quem manda e quem obedece, quem sabe e quem não sabe, quem aprendeu e quem nasceu sabendo, fortes e fracos, sábios e burros, pecadores e curados, fariseus e prostitutas.
  • Na Graça todos estão de-Graça. Assim como no corpo humano, não há validade para quaisquer separação.
  • Na religiosidade o prazer e o lazer são vistos como um mal: futebol é para os menores e sexo não é assunto.
  • Na Graça tudo tem Graça.
  • Na religiosidade os relacionamentos são pautados pela pensamento igual e formatado. Assim, quando o pensamento é diferente, quando a crença tem outros sabores e o olhar outras cores, a porca torce o rabo.
  • Na Graça a amizade transcede a crença e o pensar, pois o Amor não tem fronteiras nem porteiras.
  • Na religiosidade a devoção possui regras, formas, momentos próprios e locais devidos. Aqui é como se o Divino precisasse de um protocolo para poder comunicar-se com Seus devotos.
  • Na Graça, cada esquina é um altar, cada respirar é transformado em oração, cada leitura – ainda que “apócrifa” – faz bem a alma e cada som, mesmo que seja o silêncio do nascer do sol ou o intenso som da mata densa faz-nos enxergar e se entregar a Seu Amor. Porque aqui “também” cumpre-se a máxima de que todas as coisas foram feitas nEle e por Ele.
  • Na religiosidade há um sentimento de necessário em tudo que se faz. É como se o mundo só fosse mundo porque eles existem e acreditam no que acreditam. Sem suas presenças o mundo já teria sido consumido.
  • Na Graça, apesar da importância de cada e todo ser humano não há sintoma de messianismo algum, mas apenas a pacificação de quem sabe-se um caminhante no mundo, posto que este caminhante tem a consciência que o maior bem que possa ter sido feito foi feito nele e não para um outro alguém. Dessa forma não há um sentimento de imprescindibilidade. Nada é imprescindível depois da cruz, mas tudo possui importância e beleza própria. Como a beleza inatingível do arco-íris. Assim como esse texto.

(Autoria de Evanderson Barboza)

Agradeço a Jesus Cristo pela graça alcançada

[ Comentários para este post no cabeçalho acima clique onde diz Comments ]

Onde quer que andemos pela cidade de São Paulo deparamo-nos com inúmeros cartazes, faixas e letreiros pendurados nas fachadas das casas e nos postes com a seguinte inscrição:

“AGRADEÇO A SANTO EXPEDITO PELA GRAÇA ALCANÇADA”.

Fiquei curioso: quem é esse homem que está resolvendo o problema de tantas pessoas?

Resolvi procurar na Bíblia para ver se aparecia o seu nome, se ele tinha andado com Cristo ou com Paulo. Quem sabe ele fosse um dos discípulos? Minha busca deu em nada: não aparece Santo Expedito na Bíblia. Fui pesquisar então na História e finalmente achei o homem: ele foi comandante de uma legião romana, converteu-se ao cristianismo e morreu martirizado no ano 303. Diz a história que no momento de sua conversão apareceu um corvo (simbolizando o mal) que lhe falou: “Cráss” que significa “amanhã” em latim. O corvo queria que ele deixasse a conversão para outro dia. Ele não aceitou e esmagou o corvo com o pé direito, afirmando “hodie” (que significa hoje). “Não vou deixar nada para amanhã”. Ficou conhecido, então, como o santo que resolve as coisas com rapidez.

Continuei pesquisando para ver quando foi sua ressurreição, mas não há menção desse fato. Ora, se não ressuscitou como Jesus significa então que ele está no Paraíso, aguardando o Dia do Juízo, junto com o ladrão da cruz, junto com Pedro, com Maria e todos os mais que morreram em Cristo.
Eu até creio que após sua conversão Expedito foi um homem bom e justo. Mas agora encontra-se completamente impossibilitado de atender minhas preces e nem sequer sabe que eu existo.

Outro dia recebi um e-mail ensinando-me a pedir as coisas para Santo Expedito. Ao final dizia para remeter a mesma mensagem para mais 15 pessoas e não quebrar a corrente. Como eu não quero mexer com os mortos (e acho que quem já morreu merece descanso), ao invés de mandar aquela mensagem, eu escrevi uma outra que passei adiante e dizia assim:

AGRADEÇO A JESUS PELA GRAÇA ALCANÇADA, POIS….

… é Jesus que atende às causas impossíveis (“Porque sem Mim, nada podeis fazer – João 15.5);

… é Jesus que se alegra quando pedimos as coisas apenas em Seu Nome (“E tudo o que pedirdes em meu Nome, eu o farei” – João 14.13)

… é Jesus o único “intermediário” entre Deus e os homens (“Porque há um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus – 1Timóteo 1.5)

… é Jesus o único com poder para interceder por nós (“Cristo Jesus está à direita de Deus e intercede por nós” – Romanos 8.34)

… é a Jesus quem Maria recorreu quando acabou o vinho na festa de casamento e disse: “façam tudo o que Ele vos disser” – João 2.5

MAS ATENÇÃO: Para receber a Graça NÃO PRECISA passar essa mensagem adiante. É necessário apenas Fé em Jesus Cristo. Nada mais.

“Buscar-Me-eis e Me achareis quando Me buscardes de todo o vosso coração” [Jeremias 29.13]

(autoria de Pr. Daniel Rocha)

[ Comentários para este post no cabeçalho do início desta página clique onde diz Comments; Este outro campo igual abaixo é para comentários do post de fevereiro ]