O Ídolo

“Sabemos que o ídolo nada é no mundo e que não há outro Deus, senão um só. Porque, ainda que haja também alguns que se chamem deuses… todavia, para nós há um só Deus, o Pai… e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas.” (I Coríntios 8.4-6)

Tukaram, um jovem índio criado na adoração aos falsos deuses de sua religião, acabara de ser admitido como aluno da escola missionária cristã da cidade vizinha. E para chegar lá tinha de atravessar um rio. Certo dia viu muitas pessoas ocupadas tirando alguma coisa das águas. Alguém tinha de afogado? Não; uma estátua de madeira havia caído no rio. Amarraram uma corda ao redor do pescoço da imagem para que a correnteza não a arrastasse. Quantos esforços para salvar um deus que se afogava!

Quando Tukaram chegou à escola, contou o acontecido aos seus novos companheiros cristãos, que exclamaram:

– Que deus tão estranho! Não pode salvar a si mesmo. É um deus morto. Nós conhecemos um Deus vivo!

– Como ele se chama?, perguntou o índio.

– Deus eterno, o Todo-Poderoso; Ele é nosso Pai.

– Onde ele mora?

– Está presente em todas as partes, Ele vê e ouve tudo.

Tukaram escutou e ficou meditando. Pouco a pouco aprendeu a conhecer esse Deus único que deu o Seu Filho para salvar os pecadores. Certo dia declarou diante de toda a escola que queria se tornar cristão.

Em nossa época materialista não faltam ídolos de pedra e madeira: o dinheiro, a fama, a bebida, a droga, o sexo, o orgulho e muitos mais. Deus abomina os ídolos, quaisquer que sejam, e a Bíblia é bem enfática quanto a isso: “Filho do Homem, estes homens levantaram os seus ídolos no seu coração e o tropeço da sua maldade puseram diante da sua face; devo eu de alguma maneira ser interrogado por eles?” (Ezequiel 14.3). Quem segue os ídolos mortos não pode esperar obter o conhecimento do Deus Vivo. A ordem do Senhor é clara: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5.21).

(Extraído da agenda Boa Semente 2009)

Natal: FESTA PAGÃ ou CRISTÃ?

[ Comentários para este post no cabeçalho acima – clique onde diz Comments ]

10 Razões porque os evangélicos não devem celebrar o natal

1º) Porque a Bíblia não manda celebrar o nascimento.

2º) Porque Jesus não nasceu em 25 de Dezembro. Esta data foi designada por Roma numa aliança pagã no século IV. A primeira intenção era cristianizar o paganismo e paganizar o Cristianismo, de acordo com o calendário Judaico Jesus nasceu em Setembro ou Outubro.

3º) A igreja do Senhor está vivendo a época profética da festa dos tabernáculos, que significa a preparação do caminho do Senhor e, se você prepara o caminho para Ele nascer, não prepara para Ele voltar.

4º) O natal é uma festa que centraliza a visão do palpável e esquece do que é espiritual. Para Jesus o mais importante é o Reino de Deus que não é comida nem bebida, mas justiça e paz no espírito.

5º) Porque o natal se tomou um culto comercial que visa render muito dinheiro. Tirar dos pobres e engordar os ricos. É uma festa de ilusão onde muitos se desesperam porque não podem comprar um presentinho para os filhos.

6º) Porque esta festividade está baseada em culto à falsos deuses nascidos na Babilônia. Então, se recebemos o Natal pela Igreja Católica Romana, e esta por sua vez recebeu do paganismo, de onde receberam os pagãos? Qual é a origem verdadeira?

O Natal é a principal tradição do sistema corrupto, denunciado inteiramente nas profecias e instruções bíblicas sob o nome de Babilônia. Seu início e origem surgiu na antiga Babilônia de Ninrode! É verdade, suas raízes datam de épocas imediatamente posteriores ao dilúvio!

Ninrode, neto de Cão, filho de Noé, foi o verdadeiro ‘ fundador do sistema babilônico que até hoje domina o mundo – Sistema de Competição Organizado – de impérios e governos pelo homem, baseado no sistema econômico de competição e de lucro. Ninrode construiu a Torre de Babel, a Babilônia primitiva, a antiga Nínive e muitas outras cidades. Ele organizou o primeiro reino deste mundo. O nome Ninrode, em Hebraico, deriva de “Marad” que significa “ele se rebelou, rebelde”.

Sabe-se bastante de muitos documentos antigos que falam deste indivíduo que se afastou de Deus. O homem que começou a grande apostasia profana e bem organizada, que tem dominado o mundo até hoje. Ninrode era tão perverso que se diz que casou-se com sua mãe, cujo nome era Semíramis. Depois de sua morte prematura, sua mãe-esposa propagou a doutrina maligna da sobrevivência de Ninrode como um ente espiritual. Ela alegava que um grande pinheiro havia crescido da noite para o dia, de um pedaço de árvore morta, que simbolizava o desabrochar da morte de Ninrode para uma nova vida.

Todo ano, no dia de seu aniversário de nascimento ela alegava que Ninrode visitava a árvore “sempre viva” e deixava presentes nela. O dia de aniversário de Ninrode era 25 de dezembro, esta é a verdadeira origem da “Árvore de Natal”!

Por meio de suas artimanhas e de sua astúcia, Semíramis converteu-se na “Rainha do Céu” dos Babilônicos, e Ninrode sob vários nomes, converteu-se no “Divino Filho do Céu”. Por gerações neste culto idólatra. Ninrode passou a ser o falso Messias, filho de Baal: o deus-Sol. Nesse falso sistema babilônico, “a mãe e a criança” ou a “Virgem e o menino” (isto é, Semíramis e Ninrode revivivo), transformaram-se em objetos principais de adoração. Esta veneração da “virgem e o menino” espalhou-se pelo mundo afora; o presépio é uma continuação do mesmo, em nossos dias, mudando de nome em cada país e língua. No Egito chamava-se lsis e Osiris, na Ásia Cibele e Deois, na Roma pagã Fortuna e Júpiter, até mesmo na Grécia, China, Japão e Tibete encontra-se o equivalente da Madona (minha dona ou minha senhora), muito antes do nascimento de Jesus Cristo!

7º) Esta festa não glorifica a Jesus pois quem a inventou foi a igreja católica romana, que celebra o natal diante do ídolos (estátuas). Jesus é contra a idolatria e não recebe Adoração dividida.

8º) Porque os adereços (enfeites) de natal são verdadeiros altares de deuses da mitologia antiga (que são demônios).

Árvore de Natal – é um ponto de contato que os demônios gostam. No ocultismo oriental os espíritos são invocados por meio de uma árvore. “de acordo com a enciclopédia Barsa, a árvore de natal é de origem Germânica, datando o tempo de São Bonifácio, foi adotada para substituir o sacrifício ao carvalho de ODIM, adorando-se uma árvore em homenagem ao Deus menino.” Leia a Bíblia e confira em Jeremias 10.3,4; I Reis 14.22,23; Deuteronômio 12.2,3; II Reis 17.9,10; Isaías 57.4,5; Deuteronômio 16.21 e Oséias 4.13.

As velas acendidas – faz renascer o ritual dos cultos ao deus sol.

As guirlandas – são símbolos da celebração memorial aos deuses, significam um adorno de chamamento e legalidade de entrada de deuses.
A Bíblia nunca anunciou que Jesus pede guirlandas, ou que tenha recebido guirlandas no seu nascimento, porque em Israel já era sabido que fazia parte de um ritual pagão.

O presépio – seus adereços estão relacionados diretamente com os rituais ao deus-sol. É um altar de incentivo à idolatria, é uma visão pagã. A Palavra de Deus nos manda fugir da idolatria (I Coríntios 10.14,15; Gálatas 5.19,21).

Papai Noel – é um ídolo, um santo católico chamado Nicolau, venerado pelos gregos e latinos em dezembro, sua figura moderna é a de um gnomo boxexudo e de barba branca. O gnomo de acordo com o dicionário Aurélio é um demônio da floresta.

Troca de presentes – na mitologia significa eterizar o pacto com os demônios (deuses).

Ceia de Natal – um convite à glutonaria. Nas festas pagãs ao deus-sol o banquete era servido meia-noite.

9º) O natal de Jesus não tem mais nenhum sentido profético pois na verdade todas as profecias que apontavam para sua primeira vinda à terra já se cumpriram. Agora nossa atenção deve se voltar para sua Segunda Vinda.

10º) A festa de natal traz em seu bojo um clima de angústia e tristeza, o que muitos dizem ser saudades de Jesus, mas na verdade é um espírito de opressão que está camuflado, escondido atrás da tradição romana que se infiltrou na igreja evangélica, e que precisamos expulsar em nome de Jesus!

Chega de paganismo em nosso meio, é hora de acabarmos com esta festividade pagã em nossos lares e Igrejas.

Procedimento Prático
Mesmo querendo fazer a vontade de Deus como fiéis discípulos, somos surpreendidos por situações que ficamos chocados e atônitos, que nos trazem até embaraços para acertar nossas vidas erradas com a realidade divina. Contudo, nem tudo está perdido. Temos um Deus que transforma maldição em bênção. Agora não somos mais ignorantes quanto a festividade iniciada na Babilônia. Qual deve ser então nosso procedimento prático?

1 – Tirá-la totalmente do nosso coração. Lançar fora toda dependência sentimental da data do Sol Invictus (25 de dezembro).

2 – Instruirmos nossos filhos e discípulos: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.” João 8.32

3 – Nos livrarmos de todo enfeite com motivos natalinos, pois sabemos suas origens.

4 – Não ficarmos sujeitos financeiramente à comidas importadas típicas. É um dia como qualquer outro.

5 – Resistirmos ao espírito satânico de gastos no Natal, principalmente se ouverem dividas. Vigiar as “ofertas do Papai Noel”. Só devemos comprar o necessário. Mamon, demônio das riquezas, criou dependência na mente humana onde as pessoas têm de estar nas festividades de fim de ano com casa nova, roupa nova etc. “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.” Mateus 6.24.

6 – Devemos aproveitar a data (“Andai em sabedoria para com os que estão de fora, usando bem cada oportunidade.” Colossenses 4.5) para estar com parentes e amigos em suas casas; falando da necessidade do nascimento de Jesus em seus corações, pois este é o verdadeiro presente que o “aniversariante” quer receber. É um propício momento evangelístico, quando encontramos pessoas com o coração aberto para ouvir de Jesus.

7 – Entender que a maioria dos crentes não visualiza a situação do Natal, preferindo viver segundo seus sentimentos e tradições.

8 – Não confundir Passagem do Ano com Natal. Não é errado desejar feliz Ano Novo para alguém, mas, sim, Feliz Natal. Podemos usar algumas expressões. Ex.: – Que Jesus nasça no seu coração (ou na sua vida)!

” E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação de vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. ” (Romanos 12.2)

(Fonte aqui)

Para saber ainda mais sobre o assunto, recomendo a página do blog de artigos e estudos bíblicos: “Jesus – O adorado de todas as Nações“)

[ Comentários para este post no cabeçalho do início desta página- clique onde diz Comments; Este outro campo igual abaixo é para comentários do post anterior ]