A religião é o ópio do povo

Karl Marx, em sua crítica ao cristianismo, afirmou que “a religião é o ópio dos povos”. Estava errado! Para Jesus Cristo, a verdade é outra. O materialismo é o grande narcótico que anestesia as pessoas contra a realidade de nossa verdadeira condição, transitoriedade e mortalidade. Impede-nos de ver as coisas que realmente têm importância final. Em última análise, em nossa ânsia pelas coisas, estamos apenas correndo atrás do vento.

O materialismo condiciona as pessoas a ver a vida presas dentro dos limitados horizontes da pequena concha em que vivem, incapazes de perceber qualquer coisa acima desse nível. Por desejarem sempre mais, tal insatisfação faz delas pobres. Tudo o que o materialismo consegue é alimentar a espiral do desejo de aquisição, que é insaciável. Agostinho estava correto ao afirmar o seguinte: “Quem tem Deus tem tudo; quem não tem Deus não tem nada. E aquele que tem Deus e tem tudo, realmente, não tem mais do que aquele que tem Deus e não tem nada.”

(Fonte: http://www.facebook.com/ABibliaSagrada)

Imagem