Conheço um excelente candidato, mas ninguém o quer

“Mas os seus concidadãos odiavam-no, e mandaram após ele embaixadores, dizendo: Não queremos que este reine sobre nós. (Lucas 19.14)

Essa foi a resposta de um cristão quando o membro de um partido político lhe perguntou em quem votaria no próximo pleito nacional. Qual “excelente” candidato sria esse?

Obviamente, ele estava se referindo a Jesus Cristo, o único capaz de trazer ordem a um mundo caótico. Infelizmente, não quiseram recebê-Lo. Ele foi rejeitado, e a prova cabal disso foi Sua morte na cruz, morte reservada apenas para os mais vis criminosos. Hoje em dia as coisas não melhoraram no cenário mundial. Guerras, fomes e intrigas políticas sacodem a humanidade. Essas são algumas consequências das pessoas terem rejeitado o Senhor Jesus.

Um dia Cristo reinará sobre a Terra. Mas, antes disso acontecer, Ele deseja reinar em nosso coração. Tendo sido rejeitado como rei, agora Ele se apresenta como Salvador. Essas são as preliminares do reino de Deus que será estabelecido neste mundo.

A solução para os mais sérios problemas da humanidade não se encontram em uma nova forma de governo, em um candidato, ou algo desse tipo, por mais atrativos e bons que pareçam. Você pode se lembrar de algum sistema político que satisfez completamente uma nação sem ter degenerado para a busca de interesses egoístas? A história das nações nos ensina profundas lições a esse respeito.

A resposta vai além do envolvimento individual. É preciso que cada ser humano venha a Jesus Cristo e O receba como Salvador pessoal.

O Senhor Jesus deseja mais que seu voto ou sua admiração; Ele quer seu coração e sua vida. Todos somos falhos e, mais cedo ou mais tarde, decepcionamos os outros. Mas o Senhor Jesus jamais decepcionará os que crêem nEle. Suas promessas não são meras promessas de campanha política; são promessas fiéis (Números 23.19). Suas palavras não são meros discursos eleitorais; são palavras de vida eterna (João 6.68).

O que é conversão?

CONVERSÃO é não ter mais absolutamente nenhum outro ponto de vista que não venha do Evangelho.

CONVERSÃO é não ter nenhum outro ponto de partida que não parta do Evangelho.

CONVERSÃO é não ter nenhum outro ponto de chão para caminhar que não seja o chão do Evangelho.

CONVERSÃO é não almejar nenhum outro ponto de chegada que não seja no Evangelho.

CONVERSÃO é estar impregnado do Evangelho dando razão a Deus todo dia, num processo que pode ter começado um dia, mas não terminará jamais, porque só terminará no dia em que transformados de glória em glória nós nos tornarmos conforme a semelhança de Jesus.

CONVERSÃO é renovar a mente todo dia.

CONVERSÃO é ver este século e não nos conformarmos com ele.

CONVERSÃO é ver mundo no mundo e ver mundo no que se chama Igreja.

CONVERSÃO é chamar de mundo não o ambiente fora das paredes eclesiásticas e chamar de Igreja o ambiente dentro das paredes eclesiásticas.

CONVERSÃO é saber que mundo é um espírito, um pensamento, uma atitude que pode estar em qualquer lugar e está freqüentemente nos concílios de um modo muito mais sofisticado do que está nos congressos políticos explicitamente definidores de políticas pro mundo.

CONVERSÃO é manter a mente num estado de arrependimento constante, de metanóia, de mudança de mente, que por vezes acontece com dor outras vezes só pela consciência que vai abraçando o entendimento e vai dando razão a Deus, e vai dando razão a Deus, e vai dando razão a Deus, e vai dizendo: Deus tem razão, a Palavra tem razão – e se ela tem razão eu quero conformar a minha vida conforme a verdade do Evangelho.

(Autoria de Caio Fábio / extraído de: http://caminhomanaus.blogspot.com/)