Nós somos deus ?

O Segredo não é um filme. É um longa-metragem que pertence à categoria “televendas”. Não há história, exceto a da autora, que passou por uma crise que resultou na descoberta de “o segredo” da vida. Os “peritos”, cujos depoimentos dimensionam a promessa de uma vida melhor, são “filósofos”, “físicos quânticos”, e “autores”. Há inclusive um “visionário”, com um doutorado honorário em Teologia. Desfilam seus depoimentos no estilo mais próximo ao de um programa de televisão evangélico, onde os pastores anunciam os seus cultos.

A promessa é simples. Você pode ter tudo que quiser se pensar direito. O pensamento atrai a realidade. Tudo que você tem de fazer é mudar a forma como pensa. Um dos autores deixa claro que “nós somos deus” e, portanto, criamos a nossa vida.

A formula reúne gêneros como literatura de auto-ajuda, esoterismo (da linha de “O Código DaVinci” ou da maçonaria) e promessas de riqueza (como nos folhetos da Amway ou da Herbalife). Tudo não passa de uma nova versão do gnosticismo – uma filosofia que casou a fé cristã com filosofia grega há quase 2.000 anos. Por isso mesmo o filme traz mais um perigo para a Igreja. Hoje em dia, cristãos estão fascinados com o mundo e com tudo o que ele oferece. São presas fáceis deste tipo de abordagem. Há quem assemelhe o filme ao livro “A Quarta Dimensão”, de Paul Yonggi Cho. Mas Cho falava de oração. O Segredo fala só de mentalização.

Além de enganoso, há embutido em seu argumento um lado extremamente cruel. Se o argumento de O Segredo for verdade, os judeus são responsáveis pelo Holocausto, os negros sul-africanos pelo Apartheid,e o continente africano pela escravidão nas Américas, para não falar nas vítimas de estupro, roubo e assassinato.

O filme pode ser proveitoso se um líder quiser mostrá-lo numa reunião cristã e depois discutir a sua falsidade. Fizemos isto na juventude da Catedral da Igreja Pentecostal de Nova Vida. Muitos tinham acabado de completar o catecismo pré-batismal. Antes que o filme terminasse eles mesmos já tinham desconstruído cada argumento apresentado. Mas, infelizmente, nem todos os cristãos conhecem a sua fé o bastante para discernir entre o que parece certo e o que é verdade.

Bispo Walter McAlister
Bispo Primaz
Aliança das Igrejas Pentecostal de Nova Vida

Anúncios